O Bloco de Esquerda (BE) advertiu esta terça-feira para os juros «incomportáveis» com que Portugal se financiou no mercado a 10 anos, lembrando ainda que não há reflexo entre a colocação de dívida e o «milagre» económico «que o Governo quer apresentar».

«Esta taxa de juro é completamente incomportável, ela torna a dívida muito difícil e muito mais pesada no futuro. É um bom negócio para a banca e um péssimo negócio para o Estado», declarou a deputada do Bloco Mariana Mortágua em declarações aos jornalistas no parlamento.

A parlamentar disse ainda que não existe «nenhum reflexo» entre os juros da operação desta terça-feira «e o milagre que o Governo quer apresentar», lembrando indicadores estatísticos portugueses de desemprego e condições económicas que atestam isso mesmo.

Portugal vai pagar uma taxa de juro de 5,112% pelos três mil milhões de euros de dívida a 10 anos colocados hoje numa operação sindicada, em que atraiu uma procura de 9,5 mil milhões de euros, disse à agência Lusa uma fonte envolvida na operação.

O livro de ofertas foi fechado às 10:30 e atraiu uma procura de 9,5 mil milhões de euros, dos quais 975 milhões de euros foram adquiridos pelo próprio sindicato bancário que geriu a operação, constituído pelo Barclays, BES, Citigroup, Royal Bank of Scotland, Credit Agricole e Société Générale.

O spread foi fixado nos 320 pontos base acima da taxa de referência para a dívida a 10 anos na zona euro, fixando-se assim a taxa de juro final nos 5,112%

A última vez que Portugal colocou dívida a 10 anos foi em maio do ano passado, quando colocou cerca de 3 mil milhões de euros a uma taxa de juro média de 5,699%, o que equivale a mais 400 pontos base acima da taxa de referência do euro para a dívida a 10 anos naquela altura.