"Entrei nesta candidatura para ganhar, considero que tenho todas as condições para isso. Estou aqui com imensa energia. Há uma grande adesão à candidatura", sublinhou a candidata.

A entrega de assinaturas no TC concretiza todo o "processo formal" da candidatura a Belém, e a ex-presidente do PS advoga que em futuras eleições todo este processo "complexo e burocraticamente muito pesado" devia ser "simplificado".

O uso de "meios informáticos" foi uma das ideias deixadas por Maria de Belém nesse sentido.

Enquanto candidata, Maria de Belém diz que não lhe compete tecer comentários sobre matérias como o Banif ou o sistema financeiro, mais a mais quando as questões estão "nos órgãos próprios" para serem escrutinados.

 

"Por vezes os comentários sobre o que são as competências de outros órgãos não ajudam, antes incomodam. Como Presidente da República, o que me comprometo é a usar a influência de Presidente, mas não a interferência", sustentou.

A acompanhar Maria de Belém na visita ao TC estiveram várias pessoas ligadas à sua candidatura, entre as quais o deputado do PS Alberto Martins.

As eleições presidenciais realizam-se a 24 de janeiro.