Maria de Belém voltou a carregar baterias e a atacar o perfil de Sampaio da Nóvoa esta segunda-feira. A ex-presidente do PS criticou, num almoço com autarcas em Beja, "quem fala mal dos partidos", mas que, na altura das eleições, já considera que estes são necessários. A candidata sublinhou, de resto, a sua militância que entende significar que as suas "opções ideológicas" são "claras". 

"É o momento para referir que não é pelo facto de a minha candidatura não ser partidária que eu aproveito para falar mal dos partidos e dizer que os partidos são geradores de intriga ou que é preciso alguém de fora dos partidos para os reabilitar, mas depois quando chega a altura de ganhar as eleiçoes os partidos ja são necessários. Sou contra esta estratégia"

Durante a manhã, em Portimão, Maria de Belém tinha apelado a que os candidatos se "respeitassem todos uns aos outros", numa campanha sem crispações, Mas ao almoço, em Beja, o discurso com autarcas locais foi carregado de farpas para o adversário que também faz parte da área socialista, Sampaio da Nóvoa.

A ex-ministra de António Guterres voltou a falar no perfil de Nóvoa e a destacar o seu próprio percurso, Vincou que "nunca se escondeu de nada" e que o facto de ser militante do PS significa que as suas opções ideológicas são claras.

"Não me escondi de lado nenhum, estive sempre nas lutas das causas que pude apreciar, assumi-me sempre como militante do PS porque isso significa que as minhas opções ideológicas são claras." 

Para Maria de Belém, "defender grandes causas" é ter investido uma vida toda ao serviço do país".

"Defender grandes causas é ter estado lá, investido toda uma vida ao desenvovlimento do seu país."