O porta-voz da direção nacional do PSD lamentou esta quinta-feira que «as boas notícias para Portugal» sejam «más notícias para a estratégia do PS», contestando que haja «propaganda» do Governo em relação à evolução das contas públicas.

Em conferência de imprensa, na sede nacional do PSD, em Lisboa, Marco António Costa afirmou que os sociais-democratas persistirão «na procura do diálogo» com o maior partido da oposição, mas considerou necessário que «o PS aceite a realidade como ela é».

O coordenador e porta-voz da Comissão Política Nacional do PSD manifestou «apoio incondicional» do partido à política orçamental do Governo, que qualificou como «de rigor» e defendeu que tem tido «excelentes resultados para Portugal e para os portugueses».

O PSD convocou esta conferência de imprensa depois de hoje o membro do Secretariado Nacional do PS Eurico Brilhante Dias ter declarado que «a propaganda não cola com a realidade», numa reação à síntese da execução orçamental de 2013, segundo a qual o défice provisório das administrações públicas em contabilidade pública foi de 7151,5 milhões de euros, abaixo da meta de 8900 milhões estabelecida no âmbito do programa de resgate.

«Este é um resultado histórico que a médio prazo irá ter consequências muito benéficas para as famílias e para as empresas portuguesas», contrapôs Marco António Costa. «E não se diga que estes resultados se ficam a dever a receitas extraordinárias, porque, mesmo sem recurso a estas receitas, a meta do défice seria cumprida», sustentou.

Para o vice-presidente do PSD, o PS está a alinhar «num discurso a que o Bloco de Esquerda deu início» e mostra-se «acossado com os bons resultados alcançados pelo país, desvalorizando desta forma o esforço feito pelas famílias e pelas empresas portuguesas».

«Tratam-se de afirmações infelizes e completamente desconexas com a realidade. É uma pena que boas notícias para Portugal continuem a ser assumidas pelo PS como más notícias para a sua estratégia partidária», disse ainda Marco António Costa sobre as declarações de Eurico Brilhante Dias.

O porta-voz do PSD alegou que, «se há características que se aplicam ao Governo de Portugal, são o rigor, a determinação, e a constante oposição ao facilitismo e a total fobia à demagogia».

Por outro lado, expressou preocupação com a insistência dos socialistas numa diminuição da austeridade, advogando que a estratégia do PS «é a mesma» que conduziu ao resgate de 2011: «O PS ainda não compreende que a existência de défice significa dívida, que significa impostos e um fardo pesado sobre a economia portuguesa.»