A UGT pediu esta quarta-feira ao Presidente da República que desenvolva todos os esforços para que a União Europeia não sancione Portugal pelos desvios relativos às metas orçamentais e não imponha mais austeridade aos portugueses.

"Manifestámos ao Presidente as nossas preocupações relativas à pressão que a União Europeia está a exercer sobre o Governo português e pedimos-lhe que, tal como o Governo, continue a fazer todos os esforços para que haja seriedade e justiça na apreciação do caso português" disse à agência Lusa o secretário-geral da UGT, Carlos Silva.

A UGT reuniu-se esta quarta-feira à tarde com o presidente Marcelo Rebelo de Sousa a convite deste, que fará, na próxima semana, uma ronda de encontros com os parceiros sociais.

De acordo com Carlos Silva, a UGT manifestou ainda junto do Presidente da República as preocupações para o futuro imediato, relativas à necessidade de dinamizar a contratação coletiva, combater a precariedade, aumentar o Salário Mínimo e valorizar os funcionários públicos.

"O Presidente registou as nossas preocupações e manifestou compreensão", disse o sindicalista.