O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, apelou hoje aos portugueses para que se desloquem aos territórios afetados pelo incêndio de Pedrógão Grande durante o próximo ano, contribuindo para a sua reconstrução.

"Penso que o que é preciso, no futuro próximo, na próxima primavera, no próximo verão, é as pessoas virem, estarem cá. Contribuírem para esta mudança em curso, este reconstruir o futuro, é muito importante", disse Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, à saída da missa de Natal em Pedrógão Grande.

"É muito importante porque quem cá está, sente esse calor da presença. E é muito importante porque mexe com a vida, mexe com a economia, mexe com a sociedade. É aquilo que é preciso que aconteça sobretudo no próximo ano, porque engrenando no próximo ano, já engrenou", frisou o chefe de Estado.

À saída da cerimónia, Marcelo destacou a presença na igreja matriz de Pedrógão Grande de pessoas de vários pontos do país no dia de hoje, manifestando-se impressionado: "Alguns dos que estavam aqui nesta igreja vieram de Vila Flor, uma família veio de Coimbra, uma família veio de Famalicão", revelou, adiantando que essas se pessoas se deslocaram em solidariedade com as vítimas dos incêndios.

O Presidente da República recordou também a homilia do bispo de Coimbra, durante a missa em Pedrógão Grande, que chamou a atenção para um lado que "demora sempre algum tempo que é ultrapassar aquilo que existe".

Aquilo que existe, explanou, é "uma saudade que começa por ser dolorosa, que depois passa a ser uma saudade triste".

"Demora tempo", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, considerando que "é sempre mais fácil refazer as obras materiais do que refazer o espírito".

Para o Presidente da República, hoje é um dia "com sentimentos contraditórios", em que por um lado é "dia de alegria, por ser Natal", mas por outro de "saudade por aqueles que partiram".

Para o futuro, Marcelo pretende que aconteça aquilo "que já começou a acontecer" - as pessoas a arregaçarem as mangas e recomeçarem as suas vidas.

"Começaram a fazer, começaram a construir, a partir para um futuro diferente e é isso que está a acontecer", realçou, sublinhando que, "felizmente", as populações dos concelhos afetados contam também "com um grande apoio de toda a gente no país".

No entanto, frisou, "não há dúvida de que os grandes obreiros são os homens e as mulheres desta terra".

Presença de Marcelo "é muito importante para aqueles que necessitam de afeto"

O presidente da Câmara de Pedrógão Grande afirmou hoje que a presença do Presidente da República no concelho é "muito importante" para aqueles que necessitam de afeto.

"Receber o Presidente da República, o chefe de Estado, em Pedrógão Grande, num dia destes, é muito importante para aqueles que necessitam de afeto e de um pouco de conforto", realçou o presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, que falava aos jornalistas antes da missa que está a ser celebrada desde as 11:30 na igreja matriz da vila.

Para o autarca, a presença de Marcelo Rebelo de Sousa hoje na zona afetada pelo grande incêndio que deflagrou em junho "é a confirmação e consolidação de que o Presidente da República está inteiramente solidário e atento a tudo o que se está aqui a passar".

"O Presidente da República vem dar uma força e dizer que está atento e é isso que interessa e que é mais importante", sublinhou Valdemar Alves.

De acordo com o autarca, o concelho continua a precisar de solidariedade, "principalmente das grandes instituições", porque "a obra ainda não está terminada e vai levar alguns anos".

"É um Natal triste. Os acontecimentos de junho não deixaram de marcar as mulheres e homens desta terra e todas as pessoas que se relacionam com ela", constatou, por sua vez, o presidente da Assembleia Municipal de Pedrógão Grande, Tomás Correia.

Para o também presidente do Associação Mutualista Montepio, este é também um Natal que vai servir "para reconstruir a esperança, que é aquilo que é cada vez mais escasso nesta terra".

Segundo Tomás Correia, é necessário criar-se uma nova visão para o território, que tem uma economia pobre e débil.

O problema, defendeu, "tem de ser enfrentado com determinação. Todos aqueles que têm responsabilidades têm de olhar para esta região no sentido de começarem a tomar medidas que conduzam a um quadro de recuperação desta terra, a um quadro de coesão territorial".

Associação de Vítimas realça presença “constante” de Marcelo no território

A presidente da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande (AVIPG), Nádia Piazza, realçou hoje a presença "constante" do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no território afetado pelo incêndio de junho.

"O senhor Presidente da República tem sido uma presença constante, não só fisicamente, mas de alma e coração", afirmou Nádia Piazza, que falava aos jornalistas antes da missa que está a decorrer esta manhã na igreja matriz da vila de Pedrógão Grande, e na qual participa Marcelo Rebelo de Sousa.

Segundo Nádia Piazza, este dia era já aguardado "há muito tempo" pelos familiares das vítimas, sendo que a presença de Marcelo Rebelo de Sousa aconteceu de forma "muito natural".

Para a presidente da AVIPG, que perdeu o filho no incêndio, este é "um dia especial".

"É um dia muito vazio e tentamos, de alguma forma, estando juntos, não termos tantas cadeiras vazias", disse Nádia Piazza, visivelmente emocionada e de voz embargada.

Durante o dia de hoje, está também previsto que Marcelo Rebelo de Sousa participe num almoço com familiares das vítimas, inaugure a nova sede da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão, na antiga escola primária da aldeia da Figueira, assista a um concerto em Figueiró dos vinhos e visite a Aldeia Natal na vila de Castanheira de Pera, onde deverá jantar no quartel da corporação local de bombeiros.