O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu esta segunda-feira, em Coimbra, que mais depressa são os sonhadores que mudam o curso das sociedades do que aqueles que têm uma visão tecnocrática e financista do mundo.

É uma opção de fundo saber se queremos viver numa sociedade humanista” ou numa “sociedade que tem uma visão tecnocrática, economista, financista da vida das pessoas”, disse o Presidente da República, que falava sobre o envelhecimento da sociedade portuguesa.

Marcelo Rebelo de Sousa presidia à sessão de encerramento do ‘IV Congresso Ageing - Envelhecimento ativo e saudável’, que decorreu, desde o início da manhã, na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC).

Embora “respeitando o que as sociedades ganham, em muitos aspetos da sua sustentabilidade, com os gestores rigorosos, meticulosos, precisos, essencialmente tecnocráticos”, Marcelo Rebelo de Sousa sustentou que “raras vezes [as sociedades] se transformam decisivamente com eles ou por eles”.

Mais depressa, sublinhou o Presidente da República, “são os sonhadores" que têm uma visão “humanista, arrojada, pioneira, compreensiva, que muda os cursos” das sociedades.

“Portanto, em relação ao envelhecimento, como em relação a muitos outros temas, há um desafio que se coloca à sociedade portuguesa”, afirmou, advertindo que, no entanto, não se deve “passar à margem da ciência”.

Não se trata de “passar à margem do rigor na análise das situações” ou de não ter “exata noção do que se vive na sociedade portuguesa”, mas antes de “ir mais longe” no “tratamento do tema [envelhecimento]”, mais longe na visão sobre o fenómeno, “mais longe na solidariedade”.

Para isso, é necessária “uma sociedade civil forte”, defendeu Marcelo Rebelo de Sousa, assegurando que não tem “o complexo antiestatista – seria difícil, aliás que o tivesse, tendo sido professor mais de 40 anos, numa faculdade pública”. Mas “penso que as sociedades mais maduras são aquelas que juntam ao papel importante do poder político o dinamismo e a maturidade da que se chama sociedade civil”.

Sociedade civil “não é uma mera expressão vaga para uso em discurso, a sociedade civil constrói-se todos os dias, com as plataformas sociais, com o diálogo entre a academia e a ciência e a intervenção social, incluindo o voluntariado social”, e também, “obviamente com as entidades públicas, a nível nacional, a nível regional, a nível municipal ou paroquial”, sublinhou.

Antes, o chefe de Estado, questionou: “se temos nós a noção da solidariedade intergeracional, não como muitas vezes ela é vista, só de um dos lados, mas dos dois lados”.

“Os jovens de hoje são os pais e os avós de amanhã ou de depois de amanhã – e será que pensam isso?”, salientou.

Quando de repente se abrem querelas intergeracionais desnecessárias, contraproducentes na coesão social nacional e aparecem jovens ou ditos portadores de juventude” a considerar que há quem esteja a mais “ou quase a mais na sociedade portuguesa, a única maneira de verdadeiramente lidar” com a situação é “compreender a riqueza da diversidade” e que “a diferença faz parte da riqueza do ser humano”.

Há lugar para todos, “há lugar para criar uma sociedade para todos, para os jovens de hoje, que serão menos jovens daqui a poucos anos, para os que eram jovens ainda anteontem ou ontem e já são menos [jovens] hoje e assim sucessivamente”.

Mas “isso passa por uma certa mudança de mentalidades”, sustentou.