Marcelo Rebelo de Sousa tem “os pés assentes no chão”, mas mostra-se muito “otimista” quanto ao futuro do país. No Palácio de Belém, o Presidente da República esteve esta quinta-feira com os funcionários da Presidência, com quem quer criar um "laço de lealdade". Para Marcelo, "servir a causa pública" é um "privilégio", mas também "uma imensa responsabilidade". E ao segundo dia como Presidente da República, Marcelo voltou a quebrar o protocolo, cumprimentando os funcionários nos respetivos locais de trabalho.

"Eu sou um otimista. Já deu para ver pelo dia de posse. Otimista e realista. Com os pés assentes no chão, mas otimista. tenho uma visão muito positiva dos portugueses, de Portugal e do que podemos fazer nos próximos cinco anos em conjunto. Vamos trabalhar em conjunto estes cinco anos."

Um dia depois de ter tomado posse, o novo chefe de Estado reuniu-se na Sala das Bicas com os funcionários da Presidência, apelando à sensibilidade dos mesmos. É que "servir a causa pública" é hoje "mais difícil" e tudo o que acontece em Belém é "responsabilidade do Presidente da República"

"Hoje servir a causa pública é mais difícil do que era há dez anos, há 20, há 30 anos ou há 40 anos. E essa é uma matéria para a qual é necessária a vossa sensibilidade. Terem a noção da posição que ocupam e tudo o que se fizer na Presidência da República acaba por ser responsabilidade do Presidente da República. (...) Compreenderão que, sendo um privilégio trabalhar na Presidência da República, também é uma imensa responsabilidade."

Assim, o Presidente espera criar um "laço de lealdade" com os funcionários e que juntos "possam cumprir por Portugal".

Ao segundo dia como Presidente da República, Marcelo voltou a quebrar o protocolo, cumprimentando os funcionários nos seus locais de trabalho. "Esta sala é muito bonita, mas não tem a ver com o local de trabalho de cada um."

Com o estilo descontraído a que tem habituado as câmaras, Marcelo já espera pela festa de Natal. "Vamo-nos encontrar muitas vezes. Espero que haja uma festa de Natal."

Marcelo Rebelo de Sousa tomou posse esta quarta-feira na Assembleia da República. Um dia longo que começou com o antigo líder do PSD a jurar a Constituição de 1976 e acabou com um espetáculo musical na Praça do Município em Lisboa.

O segundo dia das cerimónias da posse vai ser marcado pela apresentação de cumprimentos pelo corpo diplomático e por um encontro com o primeiro-ministro, António Costa.