O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, fará uma visita a Portugal dentro de duas semanas. O anúncio foi feito este sábado pelo Presidente da República, à margem de uma visita ao Alentejo.

“Vou receber várias visitas [em maio]. Uma delas, que vem a Portugal para estar também com o primeiro-ministro e com o Presidente da República, é Ban Ki-moon, que está numa visita de despedida como secretário-geral das Nações Unidas”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Ban Ki-moon, recorde-se, está em fim de mandato. Marcelo Rebelo de Sousa vai aproveitar para fazer campanha pela candidatura de António Guterres.

“Em princípio está prevista a vinda dentro de duas semanas” e “vai ser uma boa oportunidade para falar da candidatura nacional de António Guterres. É uma candidatura muito forte”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Foi durante uma visita ao certame agropecuário Ovibeja, que está a decorrer até segunda-feira em Beja, que o Presidente da República, questionado pelos jornalistas, confirmou que o secretário-geral da ONU vai estar em Portugal, em maio.

Prometendo abordar a candidatura de Guterres a secretário-geral da ONU com o ainda titular do cargo, o Presidente da República elogiou o antigo primeiro-ministro português, que na última década foi Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados.

António Guterres “esteve magnífico nas audições [na assembleia-geral da ONU, já este mês]. Penso que tem condições para, realmente, conseguir um apoio crescente e isso seria muito bom para Portugal” e “seria muito bom para as Nações Unidas”, argumentou Marcelo Rebelo de Sousa.

A deslocação de Ban Ki-moon a Portugal já tinha sido abordada pelo chefe de Estado durante a visita à Ovibeja quando passou pelo “stand” da Câmara de Ourique, a “capital do porco alentejano”, onde lhe ofereceram um presunto e recebeu uma lição rápida sobre como o cortar.

“Isto vai dar para não sei quantos jantares em Belém”, disse, em jeito de brincadeira, Marcelo Rebelo de Sousa, referindo que vai acolher “agora vários chefes de Estado e o secretário-geral das Nações Unidas”, a quem vai dar a provar o presunto alentejano.