A inauguração do Centro Escolar de Silvalde teve esta quinta-feira o seu momento mais original quando o Presidente da República trocou com o autarca de Espinho alguns passes de hóquei, com equipamento de brincar.

Perante cerca de duas centenas de professores, crianças e habitantes da freguesia, Marcelo Rebelo de Sousa e Joaquim Pinto Moreira corresponderam assim ao espírito de descontração que marcou a inauguração da escola que já está em funcionamento desde setembro de 2015, em resultado de um investimento na ordem dos 3,5 milhões de euros.

Uma escola, a bandeira portuguesa e estes pescadores - o que é que [este desenho] representa?", perguntou o Presidente da República a um grupo de pequenos estudantes que foram à escola no feriado municipal propositadamente para lhe interpretarem uma canção. Perante o silêncio das crianças, foi o próprio Marcelo, contudo, que respondeu: "Representa a vossa terra! Vocês estão muito envergonhados, mas [o desenho] está muito bonito e vai para o meu gabinete".

Sem discursos nem declarações públicas, foi neste tom informal que Marcelo Rebelo de Sousa se sucedeu em poses para dezenas de fotografias, abraços e outros cumprimentos, em diferentes espaços do centro escolar que veio substituir as escolas básicas do Calvário, da Marinha e da Quinta da Seara.

Para o presidente da Câmara de Espinho, o entusiasmo com que a comunidade acolheu o Presidente da República compensa, aliás, os meses que autarquia e escola aguardaram até que a agenda de Marcelo Rebelo de Sousa pudesse acomodar a cerimónia. "Valeu a pena. Nota-se que as pessoas têm uma relação especial com ele", defendeu o autarca.

O Centro Escolar de Silvalde representa assim a conclusão do plano de investimentos da autarquia no que se refere à construção de raiz de novos estabelecimentos de ensino no concelho. "Neste momento já só está pendente o investimento nas EB 2 e 3 e a recuperação de outras escolas do ensino pré-escolar e do 1.º Ciclo, como as de Guetim e a Espinho 2", declarou o presidente da Câmara.

Mas o parque escolar é sempre uma obra inacabada", acrescentou. "Os edifícios de raiz que tínhamos previstos já estão concluídos, mas não deixaremos nunca de fazer o restante investimento no nosso parque escolar", concluiu o autarca.