O Presidente da República congratulou-se com o compromisso do Governo em rejuvenescer o corpo docente do ensino superior e adotar medidas com vista à estabilização do financiamento daquelas instituições.

"É com júbilo que ouço, enquanto Presidente da República, essa predisposição", afirmou o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, na cerimónia de comemoração do 105.º aniversário do Instituto Superior Técnico, em Lisboa, considerando que essas são "questões urgentes".

Antes, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, tinha já abordado o tema, adiantando que espera concluir até ao verão, em estreita articulação com as instituições de ensino superior e científico, "dois processos básicos".

Por um lado, referiu, está "a definição de um regime legal e um programa de estímulo ao emprego científico de forma a poder claramente ajudar e facilitar o rejuvenescimento do corpo docente e de investigadores” das instituições de ensino superior, “facilitando até 2020 a contratação de três mil novos doutorados por estas instituições".

Além disso, continuou, está em curso um regime contratual com as instituições de ensino superior para garantir estabilidade de financiamento ao longo da legislatura e condições de previsibilidade que possam dar "a tranquilidade e a serenidade necessária para desenvolver, formar novas gerações e apostar no conhecimento".

"O corpo docente está perigosamente envelhecido", tinha também alertado na sua intervenção o reitor da Universidade de Lisboa, António Cruz Serra.

No seu discurso, o chefe de Estado deixou ainda elogios ao IST, considerando que se trata do exemplo de "uma grande escola universitária, portuguesa, europeia e mundial", que teve um papel determinante desde a sua criação e sempre revelou visão e capacidade de "ver mais longe ou melhor".

Falando, igualmente, da capacidade da instituição liderar transformações no domínio do ensino superior e da ciência, o Presidente da República recordou dois antigos alunos do IST, Maria de Lurdes Pintassilgo e António Guterres, considerando que o prestígio que alcançaram e a formação que tiveram não é "uma mera coincidência".

"Foi uma instituição aberta ao país e ao mundo, sempre", vincou.

Já no final do discurso, Marcelo Rebelo de Sousa anunciou que, oportunamente, irá condecorar Luís Miguel de Oliveira e Silva, presidente do Conselho Científico e do departamento de Física do IST, como Grande Oficial da Ordem da Instrução Pública.

A condecoração, explicou, engloba "todos quantos fazem o espírito e a vivência" do IST e permite, na pessoa de Luís Miguel de Oliveira e Silva, saudar o presente e olhar para o futuro.

"O essencial do gesto agradece ao IST 105 anos ao serviço de Portugal", frisou.