O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou-se disponível para "acompanhar de forma empenhada" a tentativa de convergência entre os partidos portugueses em matérias estruturais para o país.

Em declarações aos jornalistas à chegada a São Tomé, onde iniciou uma visita de Estado de três dias, o Presidente referiu que lhe foi comunicado pela delegação do PSD a intenção saída do congresso daquele partido de "procurar convergências" com os diversos partidos "em domínios considerados importantes porque estruturais".

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, foi-lhe perguntado da sua disponibilidade para "acompanhar de forma empenhada esse esforço" e "a resposta só podia ser uma".

Pois se eu ando há dois anos a apelar a esse estado de espírito, é porque sem dúvida o Presidente da República considera que é útil para Portugal que se procure domínios, primeiro que se apure quais são os domínios, e, dentro dos domínios, se procure formas de diálogo entre os vários partidos", disse.

O ex-vice-presidente do PSD Nuno Morais Sarmento pediu no sábado, durante o congresso do partido, ao Presidente da República que apoie e patrocine pactos de regime para fazer as reformas importantes no país.

Os partidos terão de ter a sensibilidade de, falando entre si, descobrir por onde começar, qual é o método que vão adotar para trabalhar em conjunto e qual é o calendário e isso para já é uma iniciativa dos partidos", disse Marcelo Rebelo de Sousa.