O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, mostrou-se esta sexta-feira satisfeito com a notícia de que a agência financeira Fitch aumentou em dois patamares o ‘rating’ atribuído à dívida pública portuguesa, destacando a “subida excecional”.

Ainda assim, o chefe de Estado avisou que, agora, “a responsabilidade é maior” e que é preciso “continuar a trabalhar”, falando aos jornalistas à margem do Conselho de Fundadores de Serralves, no Porto.

[Reforça], sem dúvida, a credibilidade do país, dos responsáveis políticos e daquilo que é uma linha de orientação política portuguesa. A figura de Portugal sai reforçada e todos aqueles que trabalharam para este resultado. Começou no Governo anterior, mas temos de reconhecer que este Governo fez uma obra, em termos financeiros, que agora é reconhecida”, sublinhou o Presidente.

Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que “não é caso para euforias, mas é caso para satisfação”, explicando que este resultado “é o reconhecimento pelos mercados internacionais daquilo que é o mérito dos portugueses ao longo destes anos e daquilo que é uma política certeira em termos de controlo, primeiro do défice e depois da dívida pública”.

Devemos estar satisfeitos, os portugueses merecem esta decisão, mas, naturalmente, é preciso continuar o caminho. É preciso continuar sem euforias, com trabalho, mas com a alegria de dever cumprido”, referiu o Presidente da República.

Num anúncio feito esta sexta-feira, a Fitch subiu o 'rating', de 'BB' para 'BBB', o segundo nível da categoria de investimento, atribuído à dívida pública e coloca-o sob uma perspetiva positiva, o que significa que se deve manter assim.

A melhoria da sustentabilidade da dívida pública e a redução das vulnerabilidades externas foram os dois principais fatores chave para que a Fitch melhorasse o rating atribuído a Portugal.