O Presidente da República vai convocar reuniões do Conselho de Estado e do Conselho Superior de Defesa para o dia 21 de julho, apurou a TVI.

Será a primeira vez que os órgãos reúnem depois do incêndio de Pedrógão Grande e do furto de material militar em Tancos.

Em declarações aos jornalistas, no Palácio da Cidadela de Cascais, Marcelo Rebelo de Sousa confirmou que estas duas reuniões estavam previstas para junho, mas foram adiadas devido aos incêndios que atingiram a região centro nesse mês: "São adiamentos, com as mesmas agendas". Uma notícia que já tinha sido avançada pelo semanário Expresso.

Marcelo Rebelo de Sousa preferiu aguardar algum tempo após a tragédia de Pedrógão Grande, também após o furto em Tancos, e, mais recentemente, pelo regresso do primeiro-ministro, António Costa, que se encontra de férias.

Interrogado sobre as agendas destas reuniões, o Presidente da República respondeu: "São vários temas políticos e militares que estavam já na agenda anterior, no caso do Conselho Superior de Defesa Nacional. E é essencialmente a situação económica e financeira internacional e nacional, no Conselho de Estado".

O chefe de Estado salientou que não se trata de reuniões extraordinárias, mas reuniões trimestrais normais.

Eu tenho uma periodicidade na reunião dos conselhos. Eles reúnem quatro vezes por ano e duas vezes por semestre", disse.

"Estavam previstas, por razões óbvias, para junho e não para julho. Não foi possível reunir em junho, eu entendo que devem reunir-se em julho. E depois haverá a seguir ao verão e até ao fim do ano mais duas [reuniões]", acrescentou.