O Presidente da República (PR) afirmou, esta segunda-feira, que deixa Berlim "muito satisfeito", designadamente após a conversa com a chanceler Angela Merkel, que revelou "abertura" e "sinais de compreensão, e não preocupação" relativamente a Portugal.

Segundo o Chefe de Estado, Angel Merkel mostrou "abertura" para "entender a situação portuguesa" e também "reconhecer o mérito dos portugueses num período particularmente difícil". 

Questionado sobre se sai de Berlim com a garantia de que a Alemanha estará ao lado de Portugal quando chegar a altura de decidir eventuais sanções a Portugal devido ao défice, o chefe de Estado disse que não pode "falar pelo governo alemão", mas a sua "interpretação é que correu muitíssimo bem, em particular a conversa com a chanceler Angela Merkel, melhor do que teria esperado".

Saio daqui com a noção de que há uma compreensão muito clara do que se passa em Portugal e ficou reforçada essa compreensão depois das conversas havidas", declarou, no final de uma visita oficial à Alemanha, que teve como principal propósito sensibilizar as autoridades alemãs para a "injustiça" que constituiria a aplicação de sanções a Portugal.

No encontro com Marcelo Rebelo de Sousa a chanceler alemã terá igualmente demonstrado, para satisfação do PR, "disponibilidade para reforçar as parcerias e a colaboração" entre os dois países.

"Não vi nenhum sinal de preocupação em relação a Portugal"

Durante a sua visita, o Presidente da República manteve encontros com o Presidente alemão, Joachim Gauck, com o presidente do Bundestag (parlamento federal alemão), Norbert Lammert, e com Merkel, e "todos correram muito bem", assinalou.

Questionado sobre o tema da banca portuguesa, e designadamente a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, Marcelo Rebelo de Sousa escusou-se a "dizer exatamente" o que conversou com a chanceler, salientando que "esse problema específico tem a ver com instituições europeias".

"E em relação a ele, mantenho a minha posição, que é conhecida: é que não vejo razão para estar pessimista em relação a essa hipótese, nenhuma razão", declarou.

Do mesmo modo, disse não ter sentido qualquer inquietação da chanceler em relação à estabilidade do setor financeiro português. Marcelo Rebelo de Sousa afirmou não ter visto "nenhum sinal de preocupação da chanceler Angela Merkel em relação a Portugal", mas sim "sinais de compreensão".

Vou satisfeito com aquilo que senti e que ouvi da parte da chanceler Angela Merkel, e portanto acho que valeu a pena a visita, valeu muito a pena a visita. E valeu a pena verificar que a chanceler acompanha, e acompanha bem, o que se passa em Portugal. Compreende bem o que se passa em Portugal", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República esteve reunido esta segunda-feira, em Berlim, com a chanceler alemã, num encontro dominado por questões económicas e financeiras. Antes, o Chefe de Estado participou numa conferência de imprensa conjunta com o homólogo alemão, Joachim Gauck.

Marcelo Rebelo de Sousa voltou a manifestar-se convicto de que os parceiros europeus de Portugal, e designadamente a Alemanha, "perceberão" que os "sacrifícios grandes do povo português nos últimos quatro anos" merece ser "compreendida e nunca abandonada ou punida".