O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou consternação e preocupação pelo "clima de insegurança" na Europa, com sucessivos atentados, considerando que "a insegurança é muito negativa para a democracia e para a paz".

Em resposta aos jornalistas, à margem de um almoço com o ex-Presidente da República Aníbal Cavaco Silva, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a expressar o seu pesar pelo ataque desta sexta-feira em Munique, referindo que enviou uma mensagem ao seu homólogo alemão, Joachim Gauck, mal recebeu essa notícia.

Em seguida, o chefe de Estado manifestou "consternação e preocupação pela multiplicação destes casos que, independentemente do facto de terem ou não ligações, representam o criar de uma insegurança que não é boa para a Europa".

"A Europa acaba por viver num clima de insegurança e a insegurança é muito negativa para a democracia e para a paz na Europa em geral e na União Europeia em particular", considerou.

O Presidente da República expressara já na noite de sexta-feira o seu repúdio pelo tiroteio que ocorreu na cidade de Munique, causando dez mortos – entre os quais o autor do ataque -, e enviou a sua solidariedade e "fraterna amizade" ao chefe de Estado da Alemanha.

"O Presidente da República expressa a sua solidariedade para com o povo alemão, horrorizado por mais este momento trágico que afeta a Alemanha e atinge toda a Europa", lê-se numa mensagem colocada no ‘site’ da Presidência da República.

Marcelo Rebelo de Sousa expressou a sua “solidariedade e vivo repúdio pelo ato de violência gratuita” do ataque em Munique, "na certeza de que os valores do respeito pelos Direitos Humanos, da Democracia e do Estado de Direito prevalecerão no combate contra os seus inimigos”.

Por isso, Rebelo de Sousa enviou uma “mensagem de fraterna amizade” ao Presidente alemão, horas depois dos acontecimentos em Munique, recorda a Lusa.