O Presidente da República considerou, nesta terça-feira, que o ensino vocacional defendido pelo anterior Governo PSD/CDS-PP impunha uma escolha que "era precoce" e "condenava a uma discriminação", mas disse ver vantagens no modelo suíço.

Marcelo Rebelo de Sousa falava com o Presidente da Suíça ao seu lado, no final de uma visita à empresa Rondo, em Burgdorf, a cerca de 30 quilómetros de Berna, que dá formação a alunos de cursos profissionais pelos quais na Suíça se pode frequentar, a partir dos 15 anos, como parte de um modelo dual de ensino.

Aquilo a que assistimos aqui não é o que estava previsto em Portugal. A escolha em Portugal era muito mais cedo, era precoce. Aqui estamos a falar de jovens mais velhos que numa fase ulterior fazem essas escolhas", afirmou o Presidente da República, em resposta aos jornalistas.

Segundo o chefe de Estado, o que o atual Governo do PS fez foi "substituir uma escolha prematura que condenava a uma discriminação, a uma desigualdade do ponto de vista social".

O que vimos aqui foi uma coisa diferente. Foi que mais tarde é possível escolher um caminho vocacional que tem vantagens para o futuro", acrescentou.

Questionado se pensa que Portugal se deve aproximar do ensino dual da Alemanha ou da Suíça, o Presidente da República respondeu que "não se pode copiar modelos tal como eles são", mas defendeu que se deve "olhar para a experiência de países que estão uns passos à frente em termos económicos e em termos sociais".

Marcelo Rebelo de Sousa termina hoje uma visita de Estado à Suíça que começou na segunda-feira, a convite do Presidente suíço, Johann N. Schneider-Ammann, que o acompanhou em todos os pontos de agenda oficial.

A Suíça só recebe uma ou duas visitas de Estado por ano e no convite ao Presidente português pesou a dimensão da comunidade portuguesa neste país, que é a terceira maior, com cerca de 300 mil pessoas.

O chefe de Estado chegou à Suíça no domingo à tarde, dia em que se encontrou com representantes dessa comunidade, em Genebra.

Hoje, durante a visita à empresa Rondo, o Presidente suíço reiterou a sua proposta para "contactar empresas suíças com filiais em Portugal" para que estas eventualmente possam aplicar "a filosofia do sistema suíço" de ensino profissional em Portugal.

Por que não? E eu propus ao Presidente de Portugal empenhar-me e ajudar e fazer contactos para ver o que se pode fazer. Temos de apostar na parte prática e não apenas na teoria", advogou.

Interrogado sobre os benefícios formação profissional, Johann N. Schneider-Ammann respondeu que são simples de explicar: "Temos pleno emprego."

Durante esta visita, Marcelo Rebelo de Sousa ouviu jovens de 15, 16 e 24 anos explicarem a sua opção pela via profissional de ensino e voltou a saudar a proposta do Presidente suíço.

Não podemos desperdiçar uma oportunidade oferecida pela Suíça através das empresas que estão em Portugal. Não quer dizer que seja o único caminho e que as duas realidades sejam iguais", considerou.

No seu entender, "pode ser muito útil para Portugal", que "está já a seguir um caminho de ensino vocacional", mas não com "a mesma dimensão" da Suíça.

O Governo reformulou, não afastou a ideia vocacional profissional, essa é uma das ideias fundamentais no quadro do ensino português. Portanto, pode beneficiar desta disponibilidade de apoio que foi manifestado pelo senhor Presidente suíço e que se traduzirá nas várias empresas suíças em Portugal", acrescentou.

Suíça tem "o bom modelo" de ensino profissional 

O ministro dos Negócios Estrangeiros considerou hoje que a Suíça tem "o bom modelo" de ensino profissional e defendeu que Portugal deve fazer uma aproximação a esse modelo no que respeita à participação das empresas.

Augusto Santos Silva falava aos jornalistas depois de ouvir o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerar que se deve olhar para as vantagens do modelo suíço, no final de uma visita a uma empresa nos arredores de Berna que dá formação a alunos a partir dos 15 anos que optaram pela via de ensino profissional.

Esta experiência a que aqui assistimos é exatamente igual à experiência dos cursos profissionais em Portugal. E a decisão do atual Governo de terminar com cursos vocacionais para 12 anos de idade aproximou o modelo português do modelo suíço, que é o bom modelo", começou por afirmar o ministro.

Na Suíça, "a partir de nove anos de escolaridade comum para todos, as pessoas podem optar entre um ensino de natureza mais científica ou humanística ou um ensino de natureza mais vocacional ou profissional", descreveu.

Em seguida, Augusto Santos Silva indicou que "o que acontece na Suíça é que as empresas estão muito mais envolvidas no ensino profissional do que em Portugal". "E esse é um caminho que nós temos de fazer de aproximação."

Nós temos hoje nos cursos profissionais estágios que são muito interessantes feitos nas empresas. Mas aqui desde o início do curso que uma parte considerável da formação é feita logo em contexto de trabalho. Portanto, o que nós temos de trazer é as nossas empresas para participar mais nos nossos cursos profissionais ou, em inglês, no 'vocacional training'", defendeu.

Foi o próprio Presidente da República quem sugeriu que o ministro dos Negócios Estrangeiros falasse sobre este assunto, depois de dizer que a formação profissional suíça de que esta empresa é um exemplo "não é o que estava previsto em Portugal" pelo anterior Governo PSD/CDS-PP, em que a escolha "era muito mais cedo, era precoce".