O Presidente da República considerou esta sexta-feira que o projeto europeu se mantém válido sem o Reino Unido, mas defendeu que os ideais que estão no cerne da sua construção precisam de ser "repensados e reforçados".

Numa nota divulgada na página da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa lamenta o resultado do referendo no Reino Unido: "O povo britânico decidiu, soberanamente, que o Reino Unido deverá deixar de integrar a União Europeia, o que só pode contristar-nos".

Devemos respeitar com serenidade a decisão da maioria do povo britânico, na certeza de que o projeto europeu se mantém válido na defesa dos valores que, desde há muitos séculos, marcam a nossa identidade comum."

O chefe de Estado afirma que "Portugal, como vem sucedendo desde há 30 anos, deverá continuar a manter o seu empenhamento nos ideais de paz, liberdade, democracia, bem-estar e desenvolvimento em comum, que está no cerne da construção europeia, como um eixo central da visão e da estratégia nacionais para o futuro dos portugueses e do nosso país".

Ideais que manifestamente necessitam de ser repensados e reforçados nas modalidades e práticas da União Europeia", acrescenta.

Nesta nota, o Presidente da República refere que, após o referendo desta quinta-feira no Reino Unido, haverá agora "um período de negociação com os seus parceiros europeus, estabelecido no Tratado da União Europeia, para determinar os exatos termos deste processo".

O Presidente da República está convicto de que a saída do Reino Unido não põe em causa os interesses de Portugal e dos portugueses a viver e trabalhar naquele país.

Marcelo Rebelo de Sousa diz ter a "convicção de que os interesses de Portugal, bem como os dos portugueses a viver e a trabalhar no Reino Unido, continuarão a ser prosseguidos não obstante esta decisão".

Seguirei em todo o caso com grande atenção o evoluir da situação e posso assegurar que Portugal não deixará de apoiar os nossos compatriotas e luso-descendentes no Reino Unido, país ao qual nos ligam sete séculos de história de uma aliança sem par", acrescenta o chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa refere ainda que "ao fim e ao cabo, o Reino Unido continua a ser, cultural, economicamente e em termos de paz e segurança, um país europeu".

À chegada a Matosinhos, para o S. Mamede em Festa, o Presidente reiterou a análise defendida em comunicado, acrescentando apenas que respeita a decisão, mas que a lamenta.

Marcelo reforçou, ainda, a ideia de que o Reino Unido continua "cultural, económica e em termos de paz e de segurança a ser Europa". "Somos aliados do Reino Unidos há mais de 600 anos e isso continua de pé", lembrou.

Para o chefe de Estado, a resposta da União Europeia deve, agora, “ser rápida, coesa, unida e deve repensar e reformar o que for necessário para firmar os seus valores".

Na quinta-feira, num referendo realizado no Reino Unido, os eleitores britânicos decidiram pela saída da União Europeia, opção que teve 51,9% dos votos.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou já a intenção de se demitir em outubro, na sequência deste resultado.

As principais bolsas abriram hoje em forte queda, com a bolsa de Londres a descer perto dos 8%.