O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, teceu elogios aos "muitos Portugais" que garantem "riqueza" ao país e frisou que não pode ser tolerada discriminação nesta diversidade identitária.

No discurso do 10 de Junho, nos Açores, o chefe de Estado valorizou "um só Portugal" que existe, mas que é "feito de muitos Portugais, que podem e devem ser diversos".

"Não toleraremos que [os vários Portugais] sejam discriminados naquilo que de essencial assinala o estatuto da nossa cidadania cívica, económica, social e cultural", sublinhou.

"Nestes Açores justamente diferentes e autónomos", o chefe de Estado valorizou aqueles que "por todo o mundo constroem dia após dia" a região autónoma e Portugal.

Os "compatriotas" da América do Norte, "tantos e tantos" partidos dos Açores e "para sempre ligados" ao arquipélago foram também lembrados na intervenção do Presidente da República.

"Estas ilhas são, também elas, testemunho vivo de uma saga (...) convidam a novos horizontes, mais esperança", assinalou ainda.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sinalizou ainda  que o país prefere a "paciência dos acordos, mesmo se difíceis", à "volúpia das roturas, mesmo se tentadoras".

Numa intervenção curta, de cerca de cinco minutos, o chefe de Estado elogiou a diáspora portuguesa e o "abraço" que Portugal dá "a quem chega, migrantes ou refugiados", e a cultura de "pontes, diálogos, entendimentos".

"Preferimos a paciência dos acordos, mesmo se difíceis, à volúpia das roturas, mesmo se tentadoras. O multilateralismo realista ao unilateralismo revivalista", sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa, falando em Ponta Delgada, nos Açores, nas comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

As comemorações do Dia de Portugal, que se iniciaram no sábado, continuam hoje em Ponta Delgada, nos Açores, estendendo-se a Boston e Providence, nos Estados Unidos da América, ao final do dia.

A habitual Cerimónia Militar, que decorreu no centro da maior cidade açoriana, contou com a participação de mais de mil militares dos três ramos das Forças Armadas.

O Presidente da República e o primeiro-ministro, António Costa, partem esta tarde para os Estados Unidos da América.