O Secretariado do Partido Trabalhista Português (PTP) reconheceu esta segunda-feira que o ato eleitoral de domingo «não teve, de todo, o resultado esperado».

O PTP era um dos quatro partidos que integrava a Coligação Mudança (PS-PTP-PAN e MPT), liderada pelo PS, que foi a força politica mais penalizada nas eleições legislativas regionais antecipadas de domingo ao obter 14.593 votos e 11,41 por cento das intenções do eleitorado madeirense, correspondentes a seis deputados.

Nas eleições de 9 de outubro de 2011, os partidos da Coligação Mudança obtiveram, no total, 33.031 votantes - PS 16.945 votantes e 11,50 por cento; PTP 10.112 votantes e 6,86 por cento; PAN 3.135 votantes e 2,13 por cento e MPT 2.839 votantes e 1,93 por cento das intenções de voto.

Nessas eleições, o PS elegeu 6 deputados; o PTP 3; o PAN 1 (e, por isso, os elementos da comissão política colocaram os seus lugares à disposição) e o MPT 1.

«A história e o percurso político da Madeira», diz o comunicado do Secretariado do PTP, mostra que «só com a congregação das forças seria possível derrotar o PSD».

O PTP entende que o «esforço que foi feito por parte dos partidos da Coligação Mudança era o caminho mais acertado».

«A vitória de Miguel Albuquerque [candidato do PSD] foi a vitória dos grandes grupos económicos e da nomenclatura parasitária do erário público. A renovação [lema da candidatura do PSD] foi feita para ficar tudo na mesma, sem tirar nem pôr», alerta o PTP.

O Secretariado anunciou ainda que «durante esta semana, o PTP reunirá os seus órgãos de direção regional onde fará uma análise mais detalhada sobre os resultados eleitorais e o caminho a seguir no futuro».

O PSD, ao alcançar 56.690 votantes e 44,33 por cento das intenções de voto, elegeu domingo 24 dos 47 deputados da Assembleia Legislativa da Madeira, repetindo, assim, a décima primeira maioria absoluta consecutiva desde 1976.

No entanto, está em risco de a perder, uma vez que a CDU exige a recontagem dos votos. Se conseguir o terceiro deputado que pretende, o PSD perde o 24º e fica apenas com maioria relativa. A avaliação vai ser feita já esta terça-feira pela assembleia de apuramento dos resultados eleitorais.