O deputado regional madeirense Hélder Spínola, do Partido Nova Democracia, manifestou-se esta sexta-feira à porta do Parlamento e conseguiu entregar um cacho de bananas à bancada do PSD, em protesto contra a acumulação de reformas e vencimentos de políticos locais.

«Na Madeira, é difícil ser-se recebido por certas instituições. Pelo menos, aqui, isso não acontece e é positivo», congratulou-se, após entregar a fruta ao chefe de gabinete do presidente do grupo parlamentar «laranja», Luís Montenegro.

Cerca de hora e meia antes, desde as 09:00, Spínola foi sendo cumprimentado por diversos deputados, à entrada para o plenário, nomeadamente os bloquistas João Semedo e Luís Fazenda ou o antigo líder parlamentar socialista Carlos Zorrinho.

«Quem se porta mal, leva bananas, quem se porta bem tem direito a prendas», brincou o parlamentar da Assembleia Regional da Madeira.

Uma agente policial mais zelosa tentou, num primeiro momento, que o cacho de bananas fosse depositado na respetiva caixa em vez de estar no chão à porta da entrada lateral do Palácio de São Bento, mas um superior mais compreensivo permitiu a continuação do protesto.

Em causa está um aditamento ao Orçamento do Estado que confere aos titulares de cargos políticos em funções na Madeira manterem a acumulação de reformas com os vencimentos até à cessação dos mandatos, em 2015.

Segundo Helder Spínola, o presidente do Governo regional madeirense, Alberto João Jardim, tem uma reforma de 4.124 euros e um vencimento de 5.936 euros, por exemplo, numa «situação de exceção que não tem paralelo no país», como conta a Lusa.