O secretário-geral do PS considerou este domingo sem sentido a proposta de apoiantes de António Costa para realizar eleições primárias a 14 de setembro e apelou para que acabe em definito a discussão sobre um congresso extraordinário.

Maria de Belém indefere proposta de Costa para congresso extraordinário

Estas posições, de acordo com fontes socialistas, foram assumidas por António José Seguro na reunião da Comissão Nacional do PS em Ermesinde, concelho de Valongo, depois de o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, ter apresentado um projeto de regulamento para eleições primárias abertas a simpatizantes.

«Apelo para que terminem estes jogos estatutários e concentremo-nos no essencial: A oposição ao Governo e nas eleições primárias, que estão marcadas para 28 de setembro e que já foram aprovadas em Comissão Política no passado dia 5», declarou António José Seguro, citado por apoiantes seus presentes na reunião.

António José Seguro respondia assim ao presidente da Câmara de Lisboa, que, além de ter sugerido o ex-ministro Jorge Coelho para presidir à comissão organizadora das primárias e António Vitorino para liderar a fiscalização desse ato eleitoral, propôs igualmente a antecipação de 28 para 14 de setembro das eleições primárias, tendo em vista escolher o candidato socialista a primeiro-ministro.

António José Seguro, segundo dirigentes do PS, considerou que a alteração da data das eleições primárias «não faz sentido», porque na última reunião da Comissão Política Nacional deste partido foi já aprovada uma deliberação a marcar esse ato eleitoral para dia 28.

Sobre a proposta de regulamento de António Costa, o secretário-geral do PS vincou que ele próprio convocou para quinta-feira uma reunião da Comissão Política Nacional, precisamente, para aprovar um regulamento.

«Queremos que esse regulamento seja absolutamente transparente», frisou o secretário-geral do PS, remetendo essa discussão para a próxima quinta-feira.