é «urgente» rever as garantias das crianças em causa