O líder parlamentar do PSD defendeu esta terça-feira que há razões para otimismo sobre a economia portuguesa, considerando que não há qualquer inversão de tendência no emprego e que os principais parceiros na União Europeia estão em «aceleração».

Luís Montenegro falava aos jornalistas na Assembleia da República, depois de ter recebido o secretário de Estado dos Assuntos Europeus da Irlanda, Dara Murphy.

«Desde há dois anos que Portugal tem vindo a recuperar quer as oportunidades de emprego, quer a baixar em termos homólogos (também em cadeia ao longo de 20 meses consecutivos) a taxa de desemprego. É verdade que temos ainda um desemprego muito elevado, mas está muito longe do pico que tivemos durante o Programa de Assistência Económica e Financeira, quando chegou aos 17,7 por cento», sustentou o presidente do Grupo Parlamentar do PSD.


Sobre os mais recentes indicadores ao nível do emprego, Luís Montenegro admitiu «alguma estagnação» nos últimos meses, mas recusou a existência de qualquer inversão de tendência.

«A tendência continua a ser de recuperação no emprego e de diminuição da taxa de desemprego. Isto só é possível porque a economia portuguesa está mais dinâmica, com mais crescimento, continuando a apresentar bons resultados em setores de atividade importantes, como o turismo ou as exportações para a Europa e fora da Europa. Estamos otimistas porque a Europa está a acelerar a sua recuperação económica - e isso também significará alguma repercussão no desempenho da economia portuguesa», advogou o líder da bancada social-democrata, numa alusão à Espanha, França e Alemanha, os principais parceiros comerciais de Portugal.


Questionado sobre a existência de alguma apreensão face à reduzida dimensão do investimento em Portugal, quer público, quer privado, Luís Montenegro discordou e contrapôs que «o investimento está a recuperar».

«Os últimos dados têm revelado isso, mas é evidente que, depois de um programa tão exigente como o que Portugal suportou, com uma transformação tão grande no tecido económico, ninguém estava à espera que de um dia para o outro a retoma do investimento fosse galopante. A recuperação do investimento está a ser consistente e os dados já conhecidos de 2014 apontam nesse sentido. Por parte do Governo tem havido uma rota de apoio ao investimento nacional e estrangeiro, desde logo ao nível da simplificação e desburocratização de procedimentos», defendeu Luís Montenegro.


O presidente do Grupo Parlamentar do PSD disse ainda que estão «em marcha vários projetos» e que se abre agora «um novo quadro com o ‘Portugal 2020' que está em fase de implementação».

«Do ponto de vista do investimento, não há qualquer razão para pessimismo», insistiu.