O vice-presidente da bancada do PSD, Luís Menezes, acusou hoje o PS de ser o «único partido» em Portugal com uma «agenda escondida», instando o partido a revelar como pretende cumprir as metas orçamentais para 2015.

«Vamos repetir até à exaustão esta mensagem: não há nenhuma agenda escondida da parte do Governo. O único partido em Portugal que tem uma agenda escondida é o PS, que ainda não teve a coragem de dar nenhuma proposta ao país e aos portugueses para explicar como pretende cumprir o tratado orçamental e as metas do défice para o próximo ano», declarou Menezes em declarações aos jornalistas no parlamento.

«Que propostas concretas tem o PS para apresentar aos portugueses relativamente às metas do défice de 2015?», interrogou o social-democrata, que reclama «clareza» e «transparência» da parte dos socialistas.

A presidente do PS, Maria de Belém, havia afirmado antes que o Governo da maioria PSD/CDS-PP tem recorrido a «iscos», como a eventual baixa do IRS em 2015, como parte da sua «agenda eleitoral» para camuflar os próximos cortes.

«Essa questão está a ocupar a agenda neste momento, a ocupar a agenda do Governo, que é uma agenda eleitoral. Isto é aquilo que o Governo sistematicamente atira para a opinião pública no sentido de tentar distrair as atenções em relação aos principais problemas do país», afirmou a responsável socialista, na sede lisboeta.

A deputada do PS disse ainda que «a comunicação social tem obrigação de ver porque são feitas determinadas afirmações, se lançam determinados iscos».

Luís Menezes criticou Maria de Belém pelas referências à comunicação social, declarando que o PSD não tem a «veleidade» de ensinar aos media «como devem fazer o trabalho que fazem no dia-a-dia».

«Achamos lamentável que o PS venha dizer à comunicação social como fazer o seu trabalho neste período de pré-campanha eleitoral», advogou.