“A União Europeia não é um Estado, não tem um governo, não tem um centro de decisão. Pelo contrário, é um conjunto de estados com políticas diferentes e, designadamente, a crise tem revelado a falta de harmonia e de coerência da política europeia em relação aos refugiados, fragmentada segundo os interesses dos estados, as visões dos estados”, sublinhou.