O Conselho Regional do PSD/Madeira manifestou este sábado o seu apoio "inequívoco" à coligação nacional PSD/CDS para concorrer às próximas eleições legislativas, mas vai apresentar uma lista própria de candidatos à Assembleia da República.

Adolfo Brazão, porta-voz da reunião que decorreu em Santa Cruz, na zona este da ilha, explicou que a apresentação de uma lista própria resulta da "tradição política" social-democrata na Madeira. Por outro lado, tem em consideração o "atual quadro partidário regional", bem como "a vontade e o sentimento da população".

A lista do PSD/Madeira à Assembleia da República é encabeçada por Sara Madruga e deixa de fora os atuais deputados Guilherme Silva, Hugo Velosa e Correia de Jesus.

O Conselho Regional realçou que a nova lista de candidatos assenta numa opção de "renovação dos seus quadros políticos, alicerçada na competência, no mérito, no trabalho e na juventude" e enalteceu o trabalho realizado pelos atuais deputados.

Sobre a coligação PSD/CDS-PP ao nível nacional, os sociais-democratas madeirenses estendem que estão reunidas condições para Portugal iniciar, com garantia de estabilidade política e parlamentar, a recuperação social, económica e financeira, uma vez concluído o programa de ajustamento.

O PSD/Madeira considera, ainda, que não pode ser ignorado o esforço desenvolvido pelo atual Governo da República na consolidação das contas públicas e na recuperação da independência económica e orçamental.

"Nunca é demais recordar que a crise social, económica e financeira, que desde 2011 condicionou irreversivelmente a ação e a capacidade de decisão e de escolha do atual Governo da República, resultou da desastrada governação do governo socialista anterior", salientou Adolfo Brazão.

O Conselho Regional do PSD/Madeira enalteceu também o "diálogo construtivo" entre o executivo de Miguel Albuquerque e as instituições nacionais e congratulou-se com a recente aprovação do novo tarifário das passagens aéreas para os residentes e estudantes, bem como com a aprovação do IV Regime do Centro Internacional de Negócios da Madeira e com o desbloquear de 43 milhões de euros no âmbito do Fundo de Coesão Nacional.

Os sociais-democratas madeirenses também destacaram o acordo alcançado para a permanência da Grécia na Zona Euro, reafirmando a "clara opção europeia da Madeira e o papel fundamental da União, por via dos fundos europeus previstos até 2020, no envolvimento com o processo de desenvolvimento da Região Autónoma".