Os presidentes socialistas da Área Metropolitana de Lisboa (AML) indicaram Basílio Horta, autarca de Sintra, para presidente do conselho metropolitano, na sequência da saída de António Costa da Câmara de Lisboa para liderar o PS.

O conselho metropolitano, órgão deliberativo composto pelos 18 presidentes de câmara que constituem a AML, reúne-se na quinta-feira para eleger o novo presidente.

O novo líder do município lisboeta, Fernando Medina, manifestou, em meados de abril, ao PS a sua indisponibilidade para assumir uma candidatura à presidência do conselho metropolitano, “por pretender dedicar-se em exclusivo à cidade”.

Em comunicado enviado à Lusa, a presidente da Câmara de Odivelas, Susana Amador, informou que os autarcas socialistas decidiram hoje indicar Basílio Horta, independente eleito pelo PS em Sintra para a presidência do Conselho Metropolitano de Lisboa.

“Na base desta decisão, objeto de concertação com a Federação Urbana da Área de Lisboa (FAUL) do PS, está, não apenas o facto de Basílio Horta presidir ao segundo maior concelho da AML em termos populacionais, mas também a sua elevada craveira intelectual e todo o seu percurso pessoal, profissional, empresarial e político, amplamente reconhecidos”, explicou a autarca socialista.


Segundo Susana Amador, o currículo do autarca de Sintra trará ao conselho e à área metropolitana “a força e a dimensão institucional que toda a região precisa”, na “afirmação de um poder local cada vez mais forte e autónomo, na defesa dos legítimos interesses da população e na prossecução da sua qualificação territorial e do seu desenvolvimento”.

António Costa assumiu a presidência do Conselho Metropolitano de Lisboa em 2013, depois de uma primeira eleição contestada nos tribunais pela CDU, e o órgão deliberativo tem como vice-presidentes Hélder Sousa Silva (PSD), de Mafra, e Paulo Vistas, independente eleito em Oeiras.