O conselho metropolitano, órgão deliberativo composto pelos 18 presidentes de câmara que constituem a AML, reúne-se na quinta-feira para eleger o novo presidente.

O novo líder do município lisboeta, Fernando Medina, manifestou, em meados de abril, ao PS a sua indisponibilidade para assumir uma candidatura à presidência do conselho metropolitano, “por pretender dedicar-se em exclusivo à cidade”.

Em comunicado enviado à Lusa, a presidente da Câmara de Odivelas, Susana Amador, informou que os autarcas socialistas decidiram hoje indicar Basílio Horta, independente eleito pelo PS em Sintra para a presidência do Conselho Metropolitano de Lisboa.

“Na base desta decisão, objeto de concertação com a Federação Urbana da Área de Lisboa (FAUL) do PS, está, não apenas o facto de Basílio Horta presidir ao segundo maior concelho da AML em termos populacionais, mas também a sua elevada craveira intelectual e todo o seu percurso pessoal, profissional, empresarial e político, amplamente reconhecidos”, explicou a autarca socialista.

Segundo Susana Amador, o currículo do autarca de Sintra trará ao conselho e à área metropolitana “a força e a dimensão institucional que toda a região precisa”, na “afirmação de um poder local cada vez mais forte e autónomo, na defesa dos legítimos interesses da população e na prossecução da sua qualificação territorial e do seu desenvolvimento”.

António Costa assumiu a presidência do Conselho Metropolitano de Lisboa em 2013, depois de uma primeira eleição contestada nos tribunais pela CDU, e o órgão deliberativo tem como vice-presidentes Hélder Sousa Silva (PSD), de Mafra, e Paulo Vistas, independente eleito em Oeiras.