Os partidos da maioria, em coligação para às próximas eleições legislativas, reservaram posições sobre a data do sufrágio para as audiências com o Presidente da República, que já disse ir anunciar a convocação em julho.

"O PSD, como é de resto seu timbre, até por respeito institucional, não comenta, como nunca o fez, as palavras do Presidente da República. Sobre a matéria específica em apreço, o partido comunicará a sua posição publicamente, após partilhá-la com o Presidente da República, numa futura ocasião", disse à Lusa o porta-voz social-democrata Marco António Costa.


No domingo, em conversa informal com os jornalistas que estão acompanhar a sua visita à Noruega, Cavaco Silva recordou que a única ocasião em que as eleições legislativas se realizaram em setembro foi em 2009, para evitar a coincidência de datas com a realização das eleições autárquicas.


"Relativamente à data das legislativas, o CDS pronunciar-se-á quando o Presidente da República convocar os partidos para o efeito", disse também à Lusa o vice-presidente dos democratas-cristãos Nuno Magalhães.