Dezasseis forças políticas apresentaram listas nos círculos de Aveiro, Braga e Viana do Castelo, naqueles que deverão ser os boletins de voto mais extensos das legislativas, de acordo com dados provisórios da Comissão Nacional de Eleições (CNE).

Nas legislativas de 2011, o maior boletim de voto era o do círculo do Porto, ao qual concorreram dezassete forças políticas. No entanto, a CNE ainda não recebeu os dados relativos aos círculos dos Açores, Bragança e Castelo Branco e todas as candidaturas apresentadas terão ainda de ser validadas judicialmente.

De acordo com os dados fornecidos à Lusa pela CNE, nos círculos de Lisboa e Porto apresentaram listas 15 forças políticas (entre partidos políticos e coligações), tal como em Beja, Coimbra, Évora, Leiria, Santarém, Setúbal, Madeira e nos círculos da Europa e Fora da Europa.

Seguem-se Faro, Guarda, Portalegre, Vila Real e Viseu, círculos aos quais se apresentaram 14 forças políticas. A CNE ainda não indicou quais os partidos e coligações que concorrem a cada círculo, devendo fazê-lo nos próximos dias.

Em 2011, dezassete forças políticas apresentaram listas para as eleições legislativas, mas apenas nove partidos e uma coligação se candidataram a todos os círculos eleitorais. Por círculos eleitorais, o máximo de candidaturas registou-se no Porto, com 17 forças, seguindo-se Braga e Lisboa, com 16, e Setúbal com 15.

O prazo para a entrega de candidaturas às legislativas de 4 de outubro terminou na segunda-feira, data em que terminou também o prazo para a entrega dos orçamentos.

De acordo com os orçamentos disponíveis no ‘site’ da Entidade das Contas e Financiamentos Políticos, que funciona junto do Tribunal Constitucional, foram entregues 19 orçamentos - correspondentes a 16 forças políticas (13 partidos e três coligações) e outros três orçamentos que dizem respeito a candidaturas autónomas de PSD e CDS-PP nos Açores e na Madeira. Em 2011, foram entregues 17 orçamentos.

As coligações registadas no Tribunal Constitucional são o Portugal à Frente (que junta PSD e CDS-PP), a CDU (que junta PCP e Verdes) e o Agir (que reúne PTP e MAS).

Além destas coligações, apresentaram orçamentos os seguintes partidos políticos: PS, BE, Juntos pelo Povo, Livre/Tempo de Avançar, Partido Democrático Republicano, PCTP-MRPP, MPT, Nós Cidadãos, Pessoas-Animais-Natureza, Partido Popular Monárquico, Partido Unido dos Reformados e Pensionistas, Partido Nacional Renovador e Partido Cidadania e Democracia Cristã.

Em comparação com a lista dos partidos registados no Tribunal Constitucional, regista-se que não apresentaram orçamento de campanha o Partido Operário de Unidade Socialista (POUS), o Partido Democrático do Atlântico e o Partido Liberal Democrata (ex-MMS).