A cabeça de lista do BE por Lisboa, Mariana Mortágua, disse esta sexta-feira que o partido não reconhece legitimidade à Standard and Poor's para avaliar Portugal, acusando a agência de rating de estar a interferir com as eleições.

A agência Standard and Poor's melhorou esta sexta-feira o rating de longo prazo de Portugal, de 'BB' para 'BB+', antecipando que haja uma continuidade das políticas seguidas "independentemente do resultado das eleições de outubro".

"Quero e queremos aqui dizer à agência de rating Standard and Poor's que não vos reconhecemos legitimidade para avaliar o nosso país. Quero e queremos dizer à agência de rating Standard and Poor's ou qualquer outra que apareça que não aceitamos a vossa interferência nas nossas escolhas, nas nossas eleições, na nossa democracia porque é isso mesmo que estão a fazer quando vêm agora proferir qualquer tipo de consideração sobre o 'rating' da República Portuguesa a menos de um mês das eleições", criticou Mariana Mortágua durante um discurso num jantar de pré-campanha do BE em Lisboa.


A candidata a deputada pelo BE no círculo de Lisboa destacou ainda que o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, "até é dispensável no quadro da Standard and Poor's desde que a política de direita e a austeridade continue", ironizando que o rating da República Portuguesa teve um upgrade do lixo tóxico e "agora é só lixo".

Segundo a deputada bloquista "a estabilidade que esta agência de rating vem defender é a estabilidade do negócio que só o bloco central pode garantir".

"A única estabilidade que a S&P quer é a estabilidade dos seus clientes, dos mercados financeiros", condenou.