O antigo deputado Manuel Sérgio, eleito para a Assembleia da República em 1991 pelo Partido da Solidariedade Nacional, anteviu esta segunda-feira dificuldades para o parlamentar único do PAN, considerando que “vai ter de se “encostar à direita ou à esquerda."

“[O deputado único do PAN] Tem de se encostar à direita ou à esquerda, sozinho consegue pouco ou nada devido à falta de força parlamentar”, disse à agência Lusa Manuel Sérgio, a propósito da eleição, nas legislativas de domingo, de um deputado pelo partido Pessoas-Animais-Natureza.


Manuel Sérgio, que foi presidente do Partido da Solidariedade Nacional, sublinhou que as propostas que o parlamentar único do PAN apresentar “precisam de ser aprovadas e, para serem aprovadas, precisam de apoio."

“Se não tem, a coisa morre por natureza”, declarou, insistindo que o mais recente partido político a garantir representação parlamentar “tem de se ‘encostar’”.

Para Manuel Sérgio, filósofo e educador, “uma pessoa só não tem força”, pelo que, convicto das “dificuldades que o PAN vai ter para apresentar as suas propostas”, considerou que “tem de ver qual o partido que olha para ele com mais solidariedade para as apoiar."

Por outro lado, Manuel Sérgio referiu ser necessária “uma ideologia nítida que justifique o comportamento do deputado”, adiantando que, no seu caso, pretendeu “criar a solidariedade como ideologia e as pessoas não entenderam."

“A ideologia do PAN tem princípios que devem iluminar o seu caminho, mas é muito recente”, observou ainda Manuel Sérgio. O antigo deputado, de 82 anos, lembrou as “grandes” dificuldades que teve ao longo da legislatura em que foi deputado único, defendendo a necessidade de “haver uma grande união dentro do partido”, o que não teve, realçou.

Desse período, afirmou que “eram outros tempos, com gente mais culta”. “Eu tive um presidente da Assembleia da República que me perguntava os livros que andava a ler”, comentou, apontando, além de Barbosa de Melo, o convívio com Almeida Santos, Costa Andrade, Raul Rego, Adriano Moreira e Guilherme d’Oliveira Martins.

“Gente muita culta com quem eu tinha o gosto de dialogar e o que lembro com mais saudade foi o convívio que tive com gente culta”, acrescentou.

Nas eleições legislativas de domingo, o PAN garantiu um deputado, André Silva, eleito pelo Círculo de Lisboa.

No país, o PAN teve 1,39 por cento de votação (74.656 votos) nestas eleições, uma subida face aos resultados de 2011, quando conquistou 1,04% e 57.995 votos.