O secretário-geral comunista mostrou-se hoje "tranquilo e confiante" ao votar em Pirescôxe, arredores de Lisboa, congratulando-se com a campanha eleitoral de proximidade da Coligação Democrática Unitária (CDU), que inclui "Os Verdes" e cidadãos independentes.

"A campanha eleitoral revigorou a confiança. Diria que fizemos mais do que a nossa parte, num estilo de proximidade, esclarecimento e mobilização, muito ligada as pessoas", declarou Jerónimo Carvalho de Sousa, eleitor n.º AD32 da sétima mesa de voto da União das Freguesias da Azóia, São João da Talha e Bobadela, no Grupo Desportivo de Pirescôxe, após depositar a sua vontade na urna, às 11:19.

Acompanhado por uma das filhas, Marília, e dois netos, Rita e Rui Pedro, o líder da CDU afirmou que "mais do que a indicação de voto", (trazer os descendentes é transmitir-lhes) "a forma de exercer este direito de cidadania".

"Estas eleições podem determinar muito da evolução da vida política nacional", continuou, acrescentando que votar é "um direito que custou a conquistar" e assinalando a boa afluência verificada pela fila de espera à porta da assembleia de voto - "uma situação que já não via há muito tempo, mas que pode ser só aqui um microclima".

Questionado sobre a hipótese de vir a integrar um futuro Governo, o cabeça de lista da CDU por Lisboa disse que a sua "cabeça está virada para saber qual vai ser a decisão dos portugueses", esclarecendo ir passar a tarde com a família e, talvez, com tempo para dar uma olhadela ao jogo de futebol do "seu" Benfica, caso as reuniões na sede da candidatura, o centro de trabalho Vitória, na avenida da Liberdade, o permitam

Mais de 9,6 milhões de eleitores são hoje chamados a votar para a escolha de 230 deputados à Assembleia da República, resultado que ditará também a escolha de um futuro Governo.

A estas eleições concorrem 16 forças políticas, das quais três são coligações e as restantes 13 partidos.

Nas coligações contam-se a Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta PCP e PEV, a coligação Portugal à Frente, com PSD e CDS-PP, e a coligação Agir, que alia o Movimento Alternativa Socialista (MAS) ao Partido Trabalhista Português (PTP).

Os partidos políticos são o Partido Socialista (PS), Bloco de Esquerda (BE), Livre/Tempo de Avançar, Juntos pelo Povo (JPP), Nós, Cidadãos! (NC), Portugal pro vida, Cidadania e Democracia Cristã (PPV/CDC), Partido da Terra (MPT), Partido Democrático Republicano (PDR), Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP), Partido Nacional Renovador (PNR), Partido Unitário dos Reformados Portugueses (PURP), Partido Popular Monárquico (PPM) e Pessoas-Animais-Natureza (PAN).