O ex-primeiro-ministro José Sócrates, há um mês em prisão domiciliária, votou hoje às 13:25 numa mesa de voto instalada na Rua Alexandre Herculano, em Lisboa.

Aos jornalistas, à saída do local onde votou, José Sócrates afirmou: "Hoje é o tempo em que o país toma decisões importantes e é preciso respeitar esse tempo."

"Há muito aprendi a ter confiança e a esperar. Terei tempo de responder às vossas perguntas", acrescentou.

Sócrates disse que, mais tarde, depois das eleições, terá tempo para falar aos jornalistas.

O ex-líder do PS sublinhou que exerceu o seu direito de voto nestas eleições legislativas sem pedir autorização e sem escolta policial.

"Exerci o meu direito sem autorização e sem custódia. Foi um exercício livre", destacou.

José Sócrates está em prisão domiciliária, em Lisboa, desde dia 04 de setembro, depois de ter sido detido a 21 de novembro de 2014, no aeroporto de Lisboa, indiciado pelos crimes de fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito, e de ter ficado mais de nove meses preso preventivamente na cadeia de Évora.

Mais de 9,6 milhões de eleitores são hoje chamados a votar para a escolha de 230 deputados à Assembleia da República, resultado que ditará também a escolha de um futuro Governo.

A estas eleições concorrem 16 forças políticas, das quais três são coligações e as restantes 13 partidos.

Segundo os dados oficiais, quase dois milhões de eleitores já tinham votado às 12:00 de hoje, o que representa 20,65% dos 9,6 milhões de eleitores inscritos, uma subida de 0,64 pontos percentuais face às anteriores legislativas.