A socialista Maria de Belém escusou-se este domingo a comentar a derrota do PS nas eleições legislativas, explicando que desde que se apresentou como candidata à Presidência da República deixou de intervir na vida interna do partido.

"Anunciei que me iria candidatar à Presidência da República e a partir desse momento eu não intervenho na vida interna do Partido Socialista", afirmou Maria de Belém em declarações à CMTV.


Relativamente ao facto da coligação PSD/CDS-PP ter vencido as eleições, Maria de Belém apenas disse que "aconteceu em Portugal aquilo que não aconteceu noutros países da Europa", salientando que "as sondagens, de uma maneira geral, acertaram".

O PS, disse, "saberá analisar internamente estes resultados e saberá retirar as conclusões relativamente a estes resultados, eu não vou contribuir para esse debate", afirmou.

Questionada sobre o que o Presidente da República deverá ser fazer perante a possibilidade da coligação Portugal à Frente (PàF) não ter maioria absoluta, Maria de Belém disse que "não há muito que inovar".

"A Constituição tem um guião sobre os procedimentos a seguir e agora é altura do Presidente da República seguir", acrescentou.

"Para este caso concreto, o guião existe, está traçado, não há muito que inventar", concluiu.