O cabeça de lista por Lisboa do partido Juntos Pelo Povo (JPP) às legislativas, Nuno Moreira, defendeu hoje o reconhecimento da profissão de risco e de desgaste rápido para os membros das forças de segurança.

Numa ação de campanha para as eleições de 04 de outubro, Nuno Moreira esteve hoje reunido com dirigentes da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP), em Lisboa, para conhecer as dificuldades e os problemas das forças de segurança.

Durante a reunião, Nuno Moreira ouviu dos dirigentes da ASPP que a principal reivindicação dos polícias é o reconhecimento da profissão como sendo de risco e de desgaste rápido, além do novo estatuto profissional, que neste momento está para promulgação pelo Presidente da República, mas que não resolve todos os problemas, como a revisão de carreiras.

A falta de meios na PSP e o envelhecimento dos polícias, que atualmente têm uma média de idades de 46 anos, foram outros problemas dados a conhecer pelos dirigentes da ASPP ao candidato pelo JPP.

No final da reunião, Nuno Moreira disse aos jornalistas que o JPP, caso consiga ter representação na Assembleia da República, vai defender a revisão das carreiras para os membros das forças de segurança e “um estatuto mais organizado” no que diz respeito ao reconhecimento da profissão de risco e de desgaste rápido.

O cabeça de lista por Lisboa do Juntos Pelo Povo adiantou que as forças de segurança “têm um papel importante” na ação do JPP, sublinhando que o partido tem 12 membros da polícia na lista que concorre às legislativas.

Nuno Moreira disse ainda que o JPP vai fazer uma participação à Comissão Nacional de Eleições (CNE) devido ao ataque informático de que foi alvo a página da internet do partido, inviabilizando o acesso ao site durante três dias.

Nuno Moreira recordou que durante a campanha para as eleições regionais da Madeira, em que o JPP conseguiu eleger cinco deputados, a página da internet do partido também foi atacada.