O cabeça de lista do Juntos pelo POVO (JPP) pelo círculo de Lisboa, Nuno Moreira, esteve este sábado no Bairro da Cova da Moura, da Amadora, onde se comprometeu a ajudar a associação de moradores na legalização das casas.

“Podem contar connosco para trabalharmos juntos para tentar resolver a vossa situação”, afirmou hoje Nuno Moreira numa reunião com a Associação de Moradores do Bairro do Alto da Cova da Moura, realizada a pedido do partido.

De acordo com Domingos Pereira, da associação de moradores, o maior problema do bairro é a sua falta de legalização. “Neste bairro só há uma, ou outra casa, que foi ‘legalizada’ por penhora. Há muita gente que paga Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), mas as casas continuam por legalizar”, explicou.

Nuno Moreira disse que o partido defende “medidas que têm que ver com o IMI”, como por exemplo, “pensando nas pessoas carenciadas, permitir que o valor mínimo de tributação suba para 100 mil euros”.

Além disso, o JPP advoga que “independentemente das dívidas que uma pessoa tenha, a casa de família não pode ser penhorada”.

“O Estado não pode tirar a casa a um cidadão e à sua família por causa de uma dívida, muitas vezes menor do que o valor da casa”, defendeu.

O presidente da associação de moradores, Emílio Teixeira, queixou-se que os partidos só visitam o bairro em campanhas eleitorais, “fazem promessas” mas estas nunca são concretizadas.

Do cabeça de lista do JPP recebeu a garantia de que o partido irá voltar mais vezes ao bairro. “Podemos já marcar uma reunião para daqui a um mês, um mês e meio, e passar à ação, para resolver estas situações que são críticas e assim ajudar cinco mil pessoas [o número de habitantes da Cova da Moura]”, afirmou.

O JPP quer “estar em contacto com as pessoas no resto do ano e não só na campanha”.

“O nosso objetivo é eleger dois deputados para conseguir dar uma voz diferente às necessidades das pessoas”, referiu.

Depois da reunião, a comitiva do JPP fez uma visita pelo bairro, na companhia dos representantes da associação de moradores.