O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, reagindo à prisão preventiva do ex-primeiro-ministro José Sócrates, afirmou que o importante é a celeridade do processo para que a verdade seja esclarecida «de uma vez por todas».

Começando por ressalvar que não se pronuncia sobre este processo judicial, por não ter os elementos que o juiz teve para tomar a decisão de prisão preventiva, Arménio Carlos acabou por afirmar que «o importante é que o processo decorra de forma célere para que as coisas sejam esclarecidas de uma vez por todas».

Em declarações à Lusa, à margem de um protesto em frente à Assembleia da Republica, em Lisboa, contra a aprovação do Orçamento do Estado para 2015, o secretário-geral da CGTP defendeu que não pode haver dois tipos de justiça, uma para os mais desfavorecidos e outra para os favorecidos.

«E não há uma justiça justa se não for célere», concluiu.

O ex-primeiro-ministro José Sócrates foi detido na sexta-feira à noite, no aeroporto de Lisboa, quando regressava de Paris.

O Tribunal Central de Instrução Criminal decretou na segunda-feira à noite a prisão preventiva do ex-primeiro-ministro José Sócrates, do seu motorista, João Perna, e do empresário Carlos Santos Silva por suspeitas de crime económicos.

O ex-primeiro-ministro José Sócrates vai ficar detido no Estabelecimento Prisional de Évora, onde já passou a noite.

Os outros dois arguidos em prisão preventiva no âmbito do «processo Marquês», encontram-se presos preventivamente no Estabelecimento Prisional Anexo às Instalações da Policia Judiciária, na rua Gomes Freire, em Lisboa.