O CDS-PP afirmou hoje que respeita a separação de poderes e a independência da justiça e não faz comentários sobre investigações judiciais em curso, numa reação à detenção do ex-primeiro-ministro José Sócrates.

«O CDS mantém a sua doutrina de sempre: respeitamos a separação de poderes, consideramos que à justiça compete o trabalho da justiça e à política compete o trabalho da política», lê-se numa nota enviada à Agência Lusa assinada pelo vice-presidente do CDS-PP, Nuno Magalhães.


«Por isso mesmo, não fizemos, não fazemos e não faremos comentários sobre investigações em curso no sistema judicial, precisamente porque respeitamos a sua independência», acrescenta o também líder parlamentar do CDS-PP.

O ex-primeiro-ministro José Sócrates foi detido na sexta-feira à noite, à chegada ao aeroporto de Lisboa, no âmbito de um processo de suspeitas de crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção.

«O CDS-PP, por norma, não comenta processos judiciais»

Poucas horas depois, o vice-presidente do grupo parlamentar do CDS-PP Hélder Amaral também se escusou  a comentar a detenção de José Sócrates, por o seu partido respeitar a separação de poderes.

«O CDS-PP, por norma, não comenta processos judiciais. À justiça o que é da justiça, à política o que é da política», afirmou Hélder Amaral à agência Lusa, à margem da sessão «O CDS/PP no poder local, exigência e afirmação», que decorre em Moimenta da Beira, no distrito de Viseu.