O antigo ministro António Arnaut, fundador do Serviço Nacional de Saúde, afirmou-se este sábado, em Coimbra, «muito preocupado» com a prisão de José Sócrates e referiu que o desfecho, seja qual for, abala a democracia.

«A situação que vivemos, com a prisão de um antigo primeiro-ministro, sobretudo por causa da mediatização e mesmo até de um espetáculo tipo circense, que as autoridades judiciárias deram, preocupa-me muito», afirmou António Arnaut.

O advogado e histórico do PS falava à agência Lusa à margem da conferência «Portugal, a democracia e as (novas) guerras», promovida pela Câmara de Coimbra e pela Fundação Bissaya Barreto.

António Arnaut apontou «duas razões» da sua preocupação: «Ou José Sócrates está culpado e isso abala a democracia – porque é um antigo primeiro-ministro que teria sido corrompido – ou ele está inocente (como espero que esteja) e abala igualmente a democracia, porque, então, é o sistema judiciário que fica em causa».

O ex-primeiro-ministro José Sócrates está detido, em prisão preventiva, no Estabelecimento Prisional de Évora, indiciado por fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção.

António Arnaut participou este sábado, na Casa de Cultura de Coimbra, na terceira sessão de um ciclo de «Conferências políticas».

No debate, moderado pelo jornalista João Fernando Ramos, participaram também a bastonária da Ordem dos Advogados, Elina Fraga, o também ex-ministro e antigo presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas Diogo Freitas do Amaral e os docentes universitários Amadeu Carvalho Homem e Alexandre Francisco de Sá.