O histórico socialista Mário Soares, 90 anos, deslocou-se, cerca das 10:00 da manhã deste domingo, à morada em Lisboa onde se encontra o antigo primeiro-ministro em prisão domiciliária. O antigo Presidente da República permaneceu no número 33 da Rua Abade Faria durante cerca de 40 minutos e, à saída, disse que estava "muito satisfeito" e que Sócrates estava "muito bem". 

Rodeado por jornalistas, Soares recusou que alteração da medida de coação de José Sócrates de prisão preventiva para domiciliária poderá prejudicar o PS na eleições legislativas de 4 de outubro. 

Com a rua Abade Faria em obras, que o obrigaram a uma caminhada pelo passeio, Mário Soares não quis fazer comentários políticos e foi cumprimentando alguns populares pelo caminho.

O ex-Presidente da República, que já o tinha visitado várias vezes durante os nove meses em que Sócrates esteve no Estabelecimento Prisional de Évora, deslocou-se à habitação apenas acompanhado pelo motorista.

À entrada, Mário Soares não quis prestar declarações aos jornalistas, apenas dizendo, enquanto saía da viatura, que ia dar os parabéns ao ex-primeiro-ministro, mas que não lhe levava nenhum presente de aniversário. "Não trouxe porque não pude". José Sócrates faz 58 anos neste domingo.

Além da mãe de Sócrates, Maria Adelaide Monteiro, que o visitou no sábado à tarde e também na tarde deste domingo, esta foi a segunda visita que o ex-chefe do Governo socialista terá recebido. 

Segundo testemunhou a jornalista da TVI no local, Lara Santos, às primeiras horas da manhã, o filho mais velho do antigo primeiro-ministro, saiu do prédio número 33, tendo avisado os jornalistas que não queria ser filmado e que ficava extremamente nervoso com a presença dos meios de Comunicação Social à porta. Durante o dia, entrou e saiu várias vezes do prédio, tendo numa das deslocações entrado com uma caixa que transportaria um bolo de aniversário, segundo os jornalistas no local.

Casa entre prédios onde José Sócrates cumpre prisão domiciliária (Google Maps)


O ex-primeiro-ministro foi detido a 21 de novembro de 2014, no aeroporto de Lisboa, no âmbito da Operação Marquês, indiciado por fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito.

A decisão de alterar as medidas de coação do antigo primeiro-ministro, o único dos arguidos da "Operação Marquês" que ainda estava na cadeia, foi anunciada na sexta-feira pelo Tribunal da Comarca de Lisboa.

Os advogados de defesa de Sócrates já afirmaram ser "insuficiente" esta alteração na medida de coação imposta ao ex-primeiro-ministro e anunciaram que vão recorrer da decisão.