O dirigente socialista Álvaro Beleza afirmou que o anterior líder partidário, António José Seguro, não recebeu qualquer convite da direção do PS para integrar as listas de candidatos a deputados nas próximas eleições legislativas. Álvaro Beleza falou no final da reunião da Comissão Política Nacional do PS, depois de, à entrada, se ter referido pela primeira vez à questão sobre se António José Seguro aceitou ou não integrar as listas de candidatos a deputados.

"Não houve convite nenhum a António José Seguro para nada. Tive várias conversas com o secretário-geral do PS, António Costa, e transmiti-lhe a minha opinião, mas não sou mensageiro."


Álvaro Beleza voltou a referir que o anterior líder do PS se afastou da vida política. "Mas não sou porta-voz", salientou.

Antes destas declarações, à entrada da reunião, Álvaro Beleza afirmou que transmitiu a António Costa que o seu antecessor não quer integrar as listas, pretendendo manter-se afastado da vida política.

"Na última conversa que tive com o secretário-geral do partido, António Costa, de facto, ele falou-me na questão [possibilidade de António José Seguro integrar as listas deputados do PS], mas eu disse-lhe que há mais vida para além da política e que o António José Seguro está dedicado à sua vida académica e à família", declarou Álvaro Beleza, embora ressalvando não ser "o porta-voz" do anterior líder.


Perante a insistência dos jornalistas, Álvaro Beleza disse que Seguro entende que "há um tempo na vida para tudo" e que agora "quer dedicar-se à vida académica".
 

"Não sou mensageiro, mas na conversa que tivemos sobre todo este processo que tem vindo a desenrolar-se desde as eleições primárias do PS, ele [António Costa] falou-me nisso e eu transmiti-lhe a minha opinião. Sou amigo do António José Seguro há 30 anos, falo algumas vezes com ele e transmiti isso", afirmou.


Em relação aos critérios para a elaboração das listas de deputados do PS, o ex-membro da direção de Seguro disse que os critérios "têm de ser somar, unir, incluir e renovar as listas, arejando a vida política".
 

"Os nomes têm de ser credíveis e representativos da sociedade por onde são candidatos, sem paraquedistas", defendeu.


Sobre a possibilidade de Maria de Belém se candidatar a Presidente da República, Álvaro Beleza declarou que o objetivo agora são as eleições legislativas, mas que "seria bom se Portugal tivesse uma mulher" na chefia do Estado.

"O país passou anos muito difíceis e acho que nós todos precisamos de uma mãe na Presidência da República, alguém com sensibilidade social."


Interrogado sobre o facto de o ex-ministro socialista Armando Vara ter ficado em prisão domiciliária no âmbito da "Operação Marquês", Álvaro Beleza fez uma separação "entre política e a justiça".

"Em Portugal não há presos políticos desde o 25 de Abril de 1974. Portanto, confio no sistema de justiça. O secretário-geral do PS já disse a mesma coisa."