O Bloco de Esquerda recordou hoje Nelson Mandela como um «grande exemplo de combate convicto pela dignidade de todas as pessoas», sublinhando que o antigo Presidente sul-africano foi alguém que «fez escolhas» que «mudaram o mundo».

«Vale a pena sublinhar o grande exemplo de combate convicto pela dignidade de todas as pessoas. Mandela nunca se absteve diante de uma história que o condenava a ficar esmagado, nunca foi neutro, implicou-se, tomou partido», afirmou à Lusa o dirigente bloquista José Manuel Pureza.

O antigo Presidente da África do Sul e líder histórico do ANC «sabia que ia pagar um preço altíssimo» por essas escolhas, apontou Pureza, «e deu a vida por essas convicções, esses valores, essa política».

«Fez escolhas e essas escolhas mudaram o mundo. Mudaram o mundo de racismo de apartheid, de respeito pelos direitos fundamentais de todas as pessoas. Ajudou a erguer a bandeira dos direitos humanos», afirmou.

«Queremos lembrar nesta altura que isso lhe valeu a condenação à prisão perpétua e ser considerado como perigoso terrorista internacional, se calhar, por muitos que hoje lhe tecem hinos e louvores», declarou.

Para o Bloco de Esquerda, «essa luta contra todas as barreiras e estigmas é um exemplo que deve valer para todos os homens e todas as mulheres».

A morte de Nelson Mandela, aos 95 anos, foi anunciada pelo Presidente da República da África do Sul, Jacob Zuma, numa comunicação televisiva.

Líder da luta contra o apartheid, Nelson Mandela esteve preso 27 anos e foi o primeiro presidente negro da África do Sul, entre 1994 e 1999.