Notícia atualizada às 13:51

O ex-presidente da República Jorge Sampaio escusou-se hoje a comentar a detenção do ex-primeiro-ministro José Sócrates, dizendo apenas que está «muito apreensivo» com a situação do país.

Jorge Sampaio falava à agência Lusa à margem da conferência «Mediterrâneo. A última fronteira», que decorre durante o dia de hoje, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Questionado sobre a detenção do ex-primeiro-ministro socialista, Jorge Sampaio comentou apenas que está «muito apreensivo com o que se passa em Portugal».

Sobre essa apreensão ou sobre José Sócrates, o ex-Presidente da República nada mais disse, adiantando apenas ter sido convidado para integrar a Comissão de Honra no Congresso do Partido Socialista, que se realiza nos dias 29 e 30 de novembro.

«Obviamente que aceitei com muito gosto. Não poderei estar em Portugal porque devo partir amanhã [sexta-feira], mas queria desejar ao Congresso do Partido Socialista, aos presentes congressistas, aos órgãos a eleger e sobretudo ao secretário-geral as maiores felicidades», disse Jorge Sampaio.

O ex-Presidente da República defendeu que Portugal precisa que o congresso do PS seja «ativo», «forte» e que compreenda «a exigência que essa apreensão determina em geral, sobretudo com o que se passa no país».

«Que essa resposta seja a resposta que todos nós aguardamos para a vitalização da nossa democracia», concluiu.