Constituição: Jorge Miranda contra o fim da «justa causa»

Constitucionalista atava vários pontos essenciais da proposta do PSD

Por: tvi24 / FC    |   20 de Julho de 2010 às 12:30
Mais críticas à proposta do PSD para a revisão constitucional. Agora é o constitucionalista Jorge Miranda a atacar a extinção do termo «justa causa».

Revisão Constitucional: saiba o que o PSD quer

Em declarações à Rádio Renascença diz que é uma proposta que «põe em causa os limites materiais da Constituição porque subverte a ideia básica que é a ideia de não haver despedimentos arbitrários. Ora, razão atendível permite tudo. Basicamente cabe tudo em razão atendível. Ao passo que justa causa, embora seja um conceito aberto, em todo o caso, tem como limite a proibição do arbítrio. E a razão atendível pode abranger tudo. Eu tenho a ideia que essa medida vai contra os limites materiais da Constituição, direitos, liberdades e garantias».

«Essa alteração não deve ser aceite», advoga

Jorge Miranda está, no geral, contra várias propostas, nomeadamente no que diz respeito ao reforço dos poderes presidenciais, pois «transforma o sistema do Governo quase num sistema presidencial»: «Vai contra a evolução que tivemos em Portugal, particularmente com a revisão de 1982, e vai contra toda a experiencia histórica portuguesa, porque se tem visto que o aumento de poderes num determinado órgão é sempre extremamente perigoso pelo menos, para o equilíbrio das instituições. Já não falo do risco de grande concentração de poder que pode levar a abusos do poder, mas há manifestamente um desequilíbrio das instituições».

O constitucionalista também esta contra as moções de censura construtivas, porque podem «agravar o equilíbrio do sistema do Governo».
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Jorge Miranda
Jorge Miranda
COMENTÁRIOS

PUB
Operações irregulares no BES «fora do radar» de ex-administrador

Joaquim Goes alega que as cartas de conforto «não eram do conhecimento da maioria dos membros da comissão executiva». «Entre as quais, eu próprio», assegura. Estas cartas foram passadas BES à petrolífera venezuelana PDVSA e resultaram em elevadas imparidades ao banco no primeiro semestre de 2014. Depois disso, foi o fim.