logotipo tvi24

Constituição: Jorge Miranda contra o fim da «justa causa»

Constitucionalista atava vários pontos essenciais da proposta do PSD

Por: tvi24 / FC    |   2010-07-20 12:30

Mais críticas à proposta do PSD para a revisão constitucional. Agora é o constitucionalista Jorge Miranda a atacar a extinção do termo «justa causa».

Revisão Constitucional: saiba o que o PSD quer

Em declarações à Rádio Renascença diz que é uma proposta que «põe em causa os limites materiais da Constituição porque subverte a ideia básica que é a ideia de não haver despedimentos arbitrários. Ora, razão atendível permite tudo. Basicamente cabe tudo em razão atendível. Ao passo que justa causa, embora seja um conceito aberto, em todo o caso, tem como limite a proibição do arbítrio. E a razão atendível pode abranger tudo. Eu tenho a ideia que essa medida vai contra os limites materiais da Constituição, direitos, liberdades e garantias».

«Essa alteração não deve ser aceite», advoga

Jorge Miranda está, no geral, contra várias propostas, nomeadamente no que diz respeito ao reforço dos poderes presidenciais, pois «transforma o sistema do Governo quase num sistema presidencial»: «Vai contra a evolução que tivemos em Portugal, particularmente com a revisão de 1982, e vai contra toda a experiencia histórica portuguesa, porque se tem visto que o aumento de poderes num determinado órgão é sempre extremamente perigoso pelo menos, para o equilíbrio das instituições. Já não falo do risco de grande concentração de poder que pode levar a abusos do poder, mas há manifestamente um desequilíbrio das instituições».

O constitucionalista também esta contra as moções de censura construtivas, porque podem «agravar o equilíbrio do sistema do Governo».

Partilhar
EM BAIXO: Jorge Miranda
Jorge Miranda

«Se agora conseguem poupar, por que foram ao osso?»
Santos Silva diz que cortes não são possíveis, a não ser que sejam em serviços hospitalares
Cortes «nunca» serão tão grandes como a CES
Em entrevista, Passos Coelho pouco revela sobre medidas futuras, mas admite aliviar cortes em 2016. O primeiro-ministro não promete baixar IRS e recusa ser responsável pelo aumento da pobreza
«Não é que se lixem as eleições, é que se lixem os portugueses»
Comentário de Constança Cunha e Sá na TVI24
EM MANCHETE
Tabaco, álcool, sal e açucar na mira do Governo
Presidente da CIP aconselha «sensatez» ao executivo quanto à intenção da criar novas taxas em produtos considerados nocivos para a saúde
Banqueiros infratores vão pagar coimas até 10 milhões
Saúde: privados ganham mais de 500 milhões com subsistemas