logotipo tvi24

Constituição: Jorge Miranda contra o fim da «justa causa»

Constitucionalista atava vários pontos essenciais da proposta do PSD

Por: tvi24 / FC    |   2010-07-20 12:30

Mais críticas à proposta do PSD para a revisão constitucional. Agora é o constitucionalista Jorge Miranda a atacar a extinção do termo «justa causa».

Revisão Constitucional: saiba o que o PSD quer

Em declarações à Rádio Renascença diz que é uma proposta que «põe em causa os limites materiais da Constituição porque subverte a ideia básica que é a ideia de não haver despedimentos arbitrários. Ora, razão atendível permite tudo. Basicamente cabe tudo em razão atendível. Ao passo que justa causa, embora seja um conceito aberto, em todo o caso, tem como limite a proibição do arbítrio. E a razão atendível pode abranger tudo. Eu tenho a ideia que essa medida vai contra os limites materiais da Constituição, direitos, liberdades e garantias».

«Essa alteração não deve ser aceite», advoga

Jorge Miranda está, no geral, contra várias propostas, nomeadamente no que diz respeito ao reforço dos poderes presidenciais, pois «transforma o sistema do Governo quase num sistema presidencial»: «Vai contra a evolução que tivemos em Portugal, particularmente com a revisão de 1982, e vai contra toda a experiencia histórica portuguesa, porque se tem visto que o aumento de poderes num determinado órgão é sempre extremamente perigoso pelo menos, para o equilíbrio das instituições. Já não falo do risco de grande concentração de poder que pode levar a abusos do poder, mas há manifestamente um desequilíbrio das instituições».

O constitucionalista também esta contra as moções de censura construtivas, porque podem «agravar o equilíbrio do sistema do Governo».

Partilhar
EM BAIXO: Jorge Miranda
Jorge Miranda

«Opção do governo é tornar definitivos os cortes temporários»
Comentário de Augusto Santos Silva no programa «Política Mesmo»
«Há limites para o que um Presidente pode dizer»
Constança Cunha e Sá critica entendimento de Cavaco Silva, para quem a atividade política é um «fait-divers»
«Nunca Portugal foi tão destruído como é hoje»
Mário Soares defendeu a necessidade de mudar a forma como é praticada a democracia
EM MANCHETE
«Fatura da Sorte» ajuda Fisco
Há mais 176 mil empresas a declarar atividade às Finanças. Dados mostram que os contribuintes estão a pedir cada vez mais faturas com NIF
Universidades privadas perderam um quarto dos alunos
Magistrados não vão marcar julgamentos depois de Agosto