O coordenador do Bloco de Esquerda (BE) João Semedo disse esta quinta-feira não reconhecer no Movimento Alternativa Socialista (MAS) o papel de promotor de unidade da esquerda.

Alternativa socialista quer Bloco na convergência à esquerda

«O que temos visto ultimamente é que quem mais tem dividido [a esquerda] é quem mais fala em unidade e convergência. Os partidos são como as pessoas: medem-se pelo que fazem e não pelo que dizem. E relativamente ao MAS acho que isso é muito verdade», afirmou João Semedo em declarações à agência Lusa.

O coordenador bloquista falava depois de o MAS ter revelado hoje que quer voltar a chamar o BE à mesa para novas conversações sobre uma possível convergência à esquerda para as eleições europeias de maio, depois de conversas recentes nesse sentido que falharam, numa plataforma envolvendo também o Movimento 3D e o partido Livre.

«O Bloco sempre se dispôs, está disposto, continuará a estar disposto, a discutir tudo aquilo que possa contribuir para a convergência da esquerda», realçou João Semedo, que acusa o MAS de «retórica política».

«Falaremos com aqueles que tenham tido e tenham uma prática de convergência, unidade e aproximação. Não reconhecemos no MAS essas características», sustentou.

Em comunicado hoje enviado às redações, o MAS sublinha que «apesar de ser do domínio público a recusa do BE em concretizar alguma convergência», há uma vontade do MAS e do movimento 3D em «retomar o diálogo entre todas as forças atualmente envolvidas e, se possível, numa reunião conjunta entre todos: o Movimento 3D, o partido Livre, o MAS, os renovadores comunistas, o próprio BE (que vai ser chamado de novo a conversações) e alargar mesmo este diálogo ao PAN».