O líder da bancada parlamentar do PCP, João Oliveira, considerou hoje que o PS “devia tentar formar um Governo” à esquerda, realçando a disponibilidade da CDU “para construir uma política alternativa”.

“O PS devia tentar formar um Governo, respeitando a confiança que lhe foi dada pelos eleitores para romper este caminho que tem vindo a ser seguido por este Governo e tentar encontrar uma política alternativa”, afirmou João Oliveira, que falava aos jornalistas no final da cerimónia solene do 105.º aniversário da implantação da República, no salão nobre dos Paços do Concelho, em Lisboa.

Questionado se a CDU estaria disponível para uma coligação com o PS e com o Bloco de Esquerda, o comunista afirmou: “Os nossos votos, os nossos deputados e a nossa força contarão sempre para romper com esse caminho e para construir uma política alternativa”.

“Nós, diariamente, na Assembleia da República, apresentamos propostas que dão conta da nossa disponibilidade para construir uma política alternativa. É facto que, na maior parte das vezes quando vamos à votação, percebe-se que nem todos estão disponíveis, mas nós todos os dias damos provas disso e continuaremos a fazer esse trabalho”.

Porém, para João Oliveira, o PS “está-se a disponibilizar para viabilizar […] a continuação da mesma política”, mesmo numa altura em que “o Governo do PSD e do CDS deixou de ter condições na Assembleia da República para governar sozinho”.

“E continuamos a dizer que numa Assembleia da República que tem uma maioria de forças à esquerda do PSD, havia condições para tentar uma alternativa”, frisou, falando numa “maioria de 60% dos votos” para essa ala do parlamento.

João Oliveira deu ainda conta de que a CDU nunca se recusou a conversar com nenhum partido.

“Ainda há pouco tempo, há cerca de um ano atrás, tivemos um encontro com o Partido Socialista, onde discutimos abertamente as posições e as perspetivas que tínhamos em relação ao país”, exemplificou.

De acordo com João Oliveira, “o comprometimento do Presidente da República não é exatamente com as forças de esquerda nem com uma política de esquerda, mas o Presidente da República tem que lidar com uma realidade diferente daquela que é a sua vontade e daquela que é a sua opção”.

A coligação formada por PSD e CDS-PP venceu com 38,55% dos votos (o que representa 104 deputados), tendo perdido a maioria absoluta, e o PS foi o segundo partido mais votado, com 32,38% (85 deputados), estando ainda por atribuir quatro assentos na futura Assembleia da República, referentes aos círculos da emigração.