O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou hoje que o Governo está isolado e derrotado, e que o Executivo e os partidos da maioria parlamentar PSD/CDS-PP partilham um ódio pela constituição e pela democracia.

Numa intervenção na Quinta da Atalaia, onde se ultimam os preparativos para a Festa do Avante que se realiza no próximo fim de semana, o líder do PCP teceu várias críticas, sentimento partilhado pelas várias dezenas que o ouviam sob um forte calor e que ensaiaram diversas vaias e apupos ao Governo, à troika, e aos partidos da coligação.

«Eles estão dispostos a continuar a sua obra destrutiva. Um Governo isolado, um Governo derrotado, um Governo que já é passado mas que enquanto lá estiver vai procurar fazer o pior possível, vai procurar destruir o máximo com a consciência que é mais fácil destruir que construir, e é por isso que nós valorizamos muito esta decisão recente do tribunal constitucional em relação a ter considerado inconstitucional a ameaça de despedimento sem justa causa na Administração Pública», afirmou.

Jerónimo de Sousa prosseguiu acusando o Governo de ódio à Constituição da República Portuguesa e ao que a mesma consagra.

«E aí estão eles. Governo, PSD e CDS a proclamarem da necessidade de rever, de destruir a Constituição da República Portuguesa. Eles não têm apenas um ódio de estimação à Constituição, têm ódio àquilo que ela consagra, àquilo que ela garante. Têm ódio ao direito à saúde como um direito universal. Tem ódio à educação para todos. Tem ódio à proteção na doença, na velhice, na infância, que está escrito na Constituição. Têm ódio a não poderem destruir os postos de trabalho sem justa causa. Eles têm esta consciência, não é o ódio à Constituição, é o ódio aos valores de abril, aos direitos de quem trabalha, à justiça social, ao progresso e à própria Democracia, que a Constituição consagra», relata a Lusa.