O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, acusou hoje o Governo PS de acatar “os ditames da União Europeia” quanto ao défice e à dívida, considerando “fácil resolver a quadratura do ciclo” à custa dos trabalhadores.

Aludindo ao discurso do secretário-geral do PS, António Costa, no congresso socialista, na sexta-feira, Jerónimo de Sousa disse que o também primeiro-ministro declarou que “tinha conseguido resolver a quadratura do ciclo, cumprir as imposições da União Europeia e do Euro e acabar com a política de austeridade”.

Costa, frisou o líder comunista, “acha que a questão da dívida é para ir andando” e “calando quanto” é que o país vai “pagar pelo serviço da dívida”.

“Sim, acatou os ditames da União Europeia. Falta dizer à custa do quê e de quem”, criticou o secretário-geral do PCP, que discursava no encerramento da IX Assembleia da Organização Regional de Évora do partido, realizada em Montemor-o-Novo.

Jerónimo de Sousa questionou se não terá sido à custa “dos salários da administração pública, da falta de resposta aos problemas que hoje se agravam no Serviço Nacional de Saúde, da redução do investimento nas infraestruturas, na produção nacional, no aparelho produtivo”.

“Naturalmente, assim é fácil resolver a quadratura do ciclo, se se puser de lado aquilo que são anseios, direitos dos trabalhadores que estão contidos na Constituição”, afirmou.

Para o líder do PCP, o Governo de Costa “não resolveu a quadratura do ciclo porque faz falta aquilo que encontrou por exemplo em relação ao serviço da dívida de 35 mil milhões de euros em quatro anos”.

“Isto significa, em números redondos, quatro anos de orçamento para o SNS, é esse o dinheiro que faz falta”, acusou.

Na sua intervenção, Jerónimo de Sousa também realçou que, “mais uma vez”, estão a chegar “os arautos da Comissão Europeia com o realejo das exigências” e “da chantagem, à medida que se aproxima o momento da decisão das opções do próximo Orçamento do Estado (OE)”.

“Há sempre um pretexto para cortar nos direitos do povo, antes era o défice, agora é a dívida”, criticou, aludindo também ao Programa de Estabilidade que “o Governo aprovou para apresentar perante a Comissão Europeia”.

Neste documento, disse, “destaca-se a trajetória que é desenhada para a redução do défice das contas públicas a ‘todo o vapor’, mas também os valores inscritos para o pagamento dos juros da dívida publica, os tais 35 mil milhões de euros”.

Jerónimo de Sousa aproveitou também para garantir que, em relação ao próximo OE, o PCP “manterá a sua intervenção, no quadro da sua independência”, fruto do seu “compromisso com os trabalhadores e o povo e não com qualquer Orçamento”.

Nesta legislatura, algumas das medidas aprovadas foram “arrancadas a muito custo” e “não existiriam não fosse o PCP”, alertou o líder do partido, avisando que estes avanços “só se tornaram possíveis numa correlação de forças em que o PS não dispõe de um governo maioritário”.

“Fosse outro o resultado das eleições e fosse possível a formação de um governo maioritário do PS, fosse outra a correlação de forças na Assembleia da República e muitos dos avanços não veriam a luz do dia”, alertou.