logotipo tvi24

Jerónimo: «É fundamental a defesa do SNS»

Secretário-geral do PCP participou, este sábado, numa manifestação contra os cortes no SNS

Por: Redacção / MM    |   2012-04-14 18:52

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, disse, este sábado, que é «fundamental» defender o Serviço Nacional de Saúde (SNS), considerando que o acesso à saúde é um direito de todos os portugueses.

«Como cidadão e como português, considero fundamental a defesa do Serviço Nacional de Saúde», disse Jerónimo de Sousa, que participou, em Lisboa, numa manifestação contra os cortes no SNS.

O líder do PCP adiantou que «é uma questão de todos os portugueses de defender esse bem precioso que é o SNS e particularmente o direito à saúde».

Centenas de pessoas participaram, este sábado, numa manifestação, entre o Largo do Chiado e a Rua Augusta, em Lisboa, pela defesa do SNS, num protesto promovido pelo Movimento de Utentes dos Serviços Públicos (MUSP) e conta com a participação da central sindical CGTP, Uniões Sindicais, Federação Nacional dos Médicos - Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, comissões de utentes e outras estruturas do distrito de Lisboa.

Ações de protesto contra os cortes no SNS decorreram hoje durante todo o dia em mais nove cidades do país.

Partilhar
EM BAIXO: Jerónimo de Sousa
Jerónimo de Sousa

PS: Galamba envolve Costa em «pagamentos a militantes em massa na mesma morada»
Candidato à Federação da Área Urbana de Lisboa diz que «António Costa nada diz porque lhe convém politicamente»
As costas históricas de António
Jorge Sampaio, Almeida Santos, Manuel Alegre e Vera Jardim ao lado de Costa e contra Seguro nas primárias socialistas
Costa: «Alternativa na Madeira será uma prioridade»
Candidato à liderança do PS critica proposta de Seguro sobre escolha de candidatos a deputados e o atual mapa judiciário
EM MANCHETE
As costas históricas de António
Jorge Sampaio, Almeida Santos, Manuel Alegre e Vera Jardim ao lado de António Costa e contra Seguro nas primárias socialistas
Pais vão saber quem são os pedófilos condenados
CGTP quer salário mínimo de 540 euros e aumentos de 3%